Venda legal de maconha emperra no Uruguai | Panorama Farmacêutico
Notícias do setor farmacêutico

Venda legal de maconha emperra no Uruguai

0 12

 

 

Usuária cadastrada, Maria Noel, em Montevidéu, mostra pacote de 5g de maconha legalizada (Foto: Carolina Dantas/G1)
Usuária cadastrada, Maria Noel, em Montevidéu, mostra pacote de 5g de maconha legalizada (Foto: Carolina Dantas/G1)

Falta maconha legal no Uruguai. A política criada em 2013 pelo governo do então presidente José Mujica avançou para sua etapa mais liberal em julho deste ano, quando a droga passou a ser vendida nas farmácias. O processo de legalização é pioneiro na América Latina, mas ainda não funciona como esperado. Os motivos são a alta demanda, distribuição ainda insuficiente e as restrições dos banco ao dinheiro oriundo desse tipo de comércio, como verificou a reportagem do G1.

Numa farmácia cadastrada para vender maconha em Montevidéu, uma placa mostra um número de telefone. Os usuários são avisados por Whatsapp quando chega uma nova remessa: “llegó la marihuana” (chegou a maconha). Os pacotinhos de 5 gramas são vendidos em horas por cerca de R$ 20. Nas primeiras semanas da liberação nas drogarias, acabavam em questão de minutos. Não faltaram fotos das filas em frente às lojas cadastradas.

Compradores cadastrados fazem fila para comprar maconha legal em farmácia de Montevidéu, no Uruguai, no primeiro dia de vendas, na quarta (19) (Foto: AP Photo/Matilde Campodonico)
Compradores cadastrados fazem fila para comprar maconha legal em farmácia de Montevidéu, no Uruguai, no primeiro dia de vendas, na quarta (19) (Foto: AP Photo/Matilde Campodonico)

Os farmacêuticos sabem que a quantidade enviada pelos produtores oficiais do governo não vai bastar para o tanto de interessados – são mais de 15 mil cadastrados para apenas 12 pontos de venda no país todo. Com isso, os alertas por Whatsapp garantem a informação para os compradores da maconha legal, e leva quem chegar primeiro.

G1 visitou três das cinco farmácias da capital, Montevidéu, com cadastro para a venda. Durante três dias, nenhuma tinha droga para venda. Uma delas informou que iria receber na semana seguinte. As outras duas pediram para continuar em contato, sem previsão.

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.