Notícias do setor farmacêutico

Vacinas têm particular importância entre idosos, diz Opas

291

Em 2050, o mundo terá um total de 2,1 bilhões de pessoas com mais de 60 anos, sendo 200 milhões na América Latina e no Caribe. Dados da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) mostram que a expectativa de vida na região, no mesmo ano, será de 78 anos, contra entre 68 e 70 anos na média global.

A assessora regional de Imunização da Opas, Lúcia Helena de Oliveira, alertou, entretanto, que as pessoas estão envelhecendo sem saúde, em meio à prevalência de doenças crônicas, à falta de cuidados de longa duração e ao alto nível de dependência.

Durante a 20ª Jornada Nacional de Imunizações, no Rio de Janeiro, Lúcia Helena lembrou que o sucesso da vacinação em crianças é altamente reconhecido, mas a necessidade de programas de imunização ao longo da vida e, sobretudo, em idosos, é frequentemente subestimada. Ela ressaltou que a gravidade de muitas infecções é maior em idosos, quando comparada à de adultos jovens. Além disso, as doenças infecciosas estão comumente associadas a sequelas de longo prazo entre os que têm mais de 60 anos, como o comprometimento das atividades diárias, a fragilidade e a perda de independência.

“A vacinação é a estratégia mais eficiente para prevenir doenças infecciosas, e o aumento da vulnerabilidade entre idosos faz com que as vacinas tenham particular importância nesse grupo populacional”, disse. “A prevenção de doenças infecciosas é uma das medidas que asseguram o envelhecimento com melhor qualidade de vida”, completou.

A assessora da Opas destacou, entretanto, que a indicação de uma vacina para um adulto ou idoso depende do seu histórico de doses recebidas durante a infância e a adolescência. Segundo Lúcia Helena, pessoas com mais de 60 anos apresentam, em geral, resposta imunitária mais reduzida a vacinas, mas suficientemente efetiva para prevenir doenças potencialmente graves. A orientação é que as pessoas procurem se imunizar antes do estabelecimento da chamada imunossenecência – diminuição da função do sistema imune em razão da idade.

“Para algumas vacinas, é muito mais seguro recebê-las antes dos 60 anos, considerando um maior risco para eventos adversos, como é o caso da febre amarela”, explicou. “Esperar até os 65 anos ou mais para iniciar a vacinação de idosos pode ser muito tarde. Deve-se começar antes, enquanto a resposta imunológica é ótima”, concluiu.

*A repórter viajou a convite da Sociedade Brasileira de Imunizações.

Fonte: Portal EBC

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })