Notícias do setor farmacêutico

Sanofi se transforma em busca de novos sucessos de vendas

376

A Sanofi, assim como a GlaxoSmithKline e outras grandes rivais do setor farmacêutico, está mudando sua abordagem para encontrar novos sucessos de vendas, apostando no lucrativo campo do câncer e abandonando seus programas menos promissores.

John Reed, o novo chefe de pesquisa da farmacêutica que saiu da Roche Holding no ano passado, está acelerando o desenvolvimento de 17 programas – oito sobre câncer – e abandonando mais de três dezenas de projetos de pesquisa e desenvolvimento. O diabetes, principal negócio da Sanofi, não estava entre as áreas de foco que a empresa destacou nesta quinta-feira.

Glaxo, Novartis e outras empresas do setor renovaram seus programas de pesquisa e desenvolvimento na tentativa de estimular a produtividade em meio ao aumento dos custos para levar medicamentos ao mercado e ao aumento da rejeição dos preços entre seguradoras e governos. A Sanofi precisa de novos motores de crescimento para suceder o Lantus, seu campeão de vendas que está envelhecendo, atacado por formas mais baratas de insulina, e para trabalhar junto com o recém-chegado Dupixent, um medicamento contra asma e eczema que deve fazer sucesso.

“Um novo capítulo está começando para nossa pesquisa e desenvolvimento”, disse o CEO Olivier Brandicourt a jornalistas em uma entrevista coletiva.

As ações chegaram a subir 0,9 por cento em Paris. Elas avançaram cerca de 3 por cento nos últimos seis meses antes de quinta-feira, superando um índice da Bloomberg de fabricantes europeias de medicamentos.

Chance perdida

A Sanofi admitiu no ano passado que não participou da recente onda de novos e revolucionários remédios contra o câncer e que foi deixada para trás por concorrentes como Bristol-Myers Squibb, Roche e AstraZeneca na crescente classe de remédios que induzem o sistema imunológico a atacar tumores, mas afirmou que ainda vê oportunidades significativas nesse campo.

Assim como a Glaxo, a Sanofi se afastou dos tratamentos contra o câncer anos atrás antes de optar por voltar. A Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA concedeu em setembro autorização para seu primeiro medicamento de imuno-oncologia, que trata uma forma letal de câncer de pele, junto com a parceira Regeneron Pharmaceuticals.

A Glaxo também se expandiu em oncologia enquanto encerrava ou se desfazia de dezenas de programas de medicamentos. A companhia britânica divulgou um acordo de US$ 5,1 bilhões em dezembro para comprar a Tesaro, seguido nesta semana por uma parceria no valor de US$ 4,2 bilhões para desenvolver uma nova e promissora forma de imunoterapia com a alemã Merck.

Além do câncer, a Sanofi se concentrará em doenças raras, imunologia e doenças do sangue, além de manter seu compromisso com as vacinas. Entre os projetos abandonados havia tratamentos experimentais para a doença de Alzheimer, alergia a amendoim e diabetes.

O diabetes, que impulsionou o crescimento da companhia farmacêutica durante anos, continuou sendo um assunto espinhoso no último trimestre, já que as vendas do Lantus recuaram. A Sanofi não vai abandonar essa área, disse Brandicourt. No entanto, a interrupção de projetos sobre o diabetes põe em dúvida o compromisso da empresa com a área, disse Jean-Jacques Le Fur, analista da Bryan Garnier, em nota aos clientes.

Fonte: BOL

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })