fbpx

Setor farmacêutico deve crescer 7,5% este ano

2.813
Foto esquerda: Paulo Paiva / Foto direita: Sydney Clark

 As consultorias Close-Up e QuintilesIMS projetam para este ano um crescimento de 7,5% do mercado farmacêutico em faturamento e cerca de 3% em unidades. Para 2018, as estimativas ficam entre 6,9% e 9,3% em faturamento e aproximadamente 3% em unidades. As análises foram apresentadas no Fórum Expectativas 2018, realizado pelo Sindusfarma no dia 9 de agosto.

Num panorama geral, o mercado farmacêutico movimentou cerca de 5,8 bilhões de unidades e R$ 126 bilhões nos 12 meses até junho de 2017. Os medicamentos de prescrição representam 47% do montante e são os que têm resistido melhor à crise econômica. Já as marcas próprias das redes têm se mostrado 19% mais baratas e surgem como uma opção de melhor custo-benefício ao consumidor. A indicação do balconista/farmacêutico é ainda um fator muito importante para a escolha do produto, representando 66% da influência no cliente na parte de medicamentos e 47% em relação ao consumo.

Para o vice-presidente sênior da QuintilesIMS, Sidney Clark, o mercado farmacêutico também foi impulsionado pelos medicamentos para diabetes (15%), oncológicos (15%), para hepatite (13%) e doenças autoimunes (11%), no período de 2014 a 2016. “O impacto de quebra de patentes será 50% maior nos próximos cinco anos, o que tornará o segmento de medicamentos biológicos altamente competitivo no Brasil e no mundo”, complementa. Já o vice-presidente corporativo da Close-Up, Paulo Paiva, informou que os medicamentos oncológicos totalizaram 45% dos lançamentos no mercado farmacêutico brasileiro entre julho de 2016 e junho de 2017, seguidos dos produtos para doenças cardiovasculares (12%), para diabetes e o aparelho respiratório (10% cada) e vacinas (5%).

Em relação ao varejo farmacêutico, Paiva argumentou que as grandes redes continuam a aumentar sua representatividade no mercado (9,3%), porém, de forma mais lenta que nos anos anteriores. “O que traz um aporte significativo a este segmento é a abertura de lojas, mesmo com uma pequena desaceleração”, ressalta. Ainda segundo o estudo, a farmácia independente segue bastante relevante, mas já sentindo o peso do momento atual, e o associativista apresenta um crescimento acima do mercado, em decorrência da mudança de visão. “Trata-se de um grupo que compartilha pensamento, estratégia, forma de atuação, marketing e gestão, com uma demonstração de crescimento forte”, finaliza o consultor.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies