fbpx

Falhas na distribuição de medicamentos para Aids prejudicam pacientes no Pará

117

Falhas na distribuição de medicamentos para Aids prejudicam pacientes em todo o Pará. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sespa), os problemas começaram ainda no primeiro semestre e três remédios estão em falta. Sem solução prevista, quem depende do coquetel está preocupado.

A militar reformada Amélia Garcia é soropositivo e faz tratamento há 23 anos. Mas, as pílulas que ela toma todos os dias só vão durar até a semana que vem. Ela diz que o medicamento está em falta: “Não tem. Pegaram hoje seis frascos emprestados lá do Casa Dia para abastecer a Ure Dipe”, conta Amélia.

A falta de medicamento seria na Unidade de Referência Especializada (Ure Dipe), em Belém, um dos 23 locais no Pará que fazem a distribuição dos 37 remédios do coquetel para o tratamento de Aids e HIV pelo Sistema Único de Saúde. Quatro mil pessoas retiram os remédios no local.

Ednaldo é soropositivo e integrante de uma Ong que reúne pacientes com a infecção. Todas as semanas ele vai a unidade e na última terça-feira (5) constatou que alguns medicamentos não estavam disponíveis.

“Infelizmente essa situação vem se perdurando durante todo esse ano. Março teve, junho teve e agora mais uma vez está tendo de novo, tanto aqui, como no Casa Dia”, afirma Ednaldo Silva, da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/ Aids.

Segundo o grupo Paravida, a reclamação vem de todo o estado. ”Você imagina um estado com dimensões continentais como o Pará nós termos deficiência de medicamento. Pacientes que precisam de remédio para 60 dias, tá pegando pra 10, 15 dias. Esse paciente vai ficar sem o medicamento e naturalmente pode desenvolver infecções oportunista”, explica Jair Santos, presidente do Paravida.

Segundo a Sespa, dos 37 medicamentos que fazem parte do coquetel que o Ministério da Saúde tem que distribuir, três estão em falta: Raltegravir (400 mg); Abacavir (300 mg) e Efavirens (600 mg), o mais usado.

Ainda de acordo com a Sespa, desde o primerio semestre há falhas na distribuição dos medicamentos por parte do Governo Federal, que não está atendendo a demanda. “O que ocorreu é que o quantitativo devidamente autorizado não foi encaminhado pelo Ministério da Saúde dentro do cronograma necessário. O quantitativo que nós estamos recebendo não abrange a necessidade de pelo menos um mês dentro do estado”, afirmou Débora Crespo, coordenadora Estadual DST/ Aids.

Fonte: G1

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies