fbpx

Libbs participa de projeto de rastreabilidade da Anvisa

501

 A Libbs Farmacêutica está participando do projeto piloto de rastreabilidade de medicamentos da Anvisa, cuja primeira fase prevê o alinhamento de processos com todos os elos da cadeia, para que entre em vigor, oficialmente, em 2022. Da Libbs, o medicamento aprovado para participar do projeto é a Faulblastina injetável, produto de cadeia fria utilizado no trato de doenças oncológicas. Os demais laboratórios participantes são Aché (Tandrilax comprimido), Bayer (Climene drágea), Boehringer Ingelheim (Micardis comprimido) e Janssen-Cilag  (Levaquin comprimido revestido).

“Com a consolidação desse projeto, o paciente tem a certeza de que o produto percorreu toda a cadeia e saberá a exata origem do que está comprando. Além disso, a vigilância sanitária reforça seus mecanismos de controle e quem produz terá como saber se o medicamento chegou ao destino correto”, ressalta Carlos Reis, diretor de operações do laboratório. A Libbs foi a primeira indústria brasileira a implantar o sistema que permite o rastreamento de medicamentos. Em 2014, a empresa produziu o primeiro lote de um medicamento rastreável, imprimindo o código bidimensional Datamatrix nas embalagens do contraceptivo Iumi. Os investimentos, incluindo equipamentos, sistemas, treinamento e infraestrutura, alcançaram pouco mais de R$ 12 milhões.

“Hoje, todos os nossos produtos já vêm com o código Datamatrix, o que possibilita a verificação da autenticidade ou de algum desvio no processo”, afirma Reis. A meta é disponibilizar a consulta por meio de um aplicativo em 2019. A rastreabilidade de medicamentos tem como objetivo oferecer segurança para o paciente, que, por meio de um código impresso na caixa do medicamento, poderá ter acesso a todo percurso do produto, desde a sua produção até o ato da compra. Nesse sistema, cada caixinha recebe um número único de identificação impresso num código bidimensional que congrega todas as informações relativas a ele, armazenadas em um banco de dados (lote, validade, número de série e de registro na Anvisa), além do histórico e trajetória do produto nas diferentes etapas logísticas (centro de distribuição, distribuidores, farmácias e drogarias até chegar ao consumidor).

 

 

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies