fbpx

Com aval da União, droga proibida para câncer é entregue para hospitais

131

Ao menos um hospital recebeu o LeugiNase de órgãos públicos depois que a Justiça proibiu a União de comprar e distribuir novos lotes do medicamento chinês, sob a justificativa de que sua eficácia não é comprovada.

O remédio é usado no combate à leucemia linfoide aguda, um dos tipos de câncer mais comuns em crianças e adolescentes. As entregas ao hospital foram feitas pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo com aval do governo federal. O princípio ativo do fármaco é a L-asparaginase, usada na poliquimioterapia e considerada fundamental para elevar as taxas de remissão da doença e a sobrevida de pacientes.

O Centro Infantil Boldrini, em Campinas, referência em tratamento de câncer infantil, recebeu remessas do LeugiNase em 4 de outubro e 10 de novembro, ambas após a decisão judicial de 24 de setembro. Devolveu as duas.

O governo federal compra L-asparaginase para o SUS desde 2013. Até o ano passado, a União adquiria o Aginasa, fabricado no Japão em parceria com a Alemanha.

No início deste ano, já sob a gestão Temer, o Ministério da Saúde comprou o produto de nova marca (LeugiNase), produzido pelo laboratório Beijing Sl Pharmaceutical e vendido por US$ 38 o frasco, ante R$ 173,52 da Aginasa, segundo a Justiça.

Hospitais e entidades médicas protestaram. Disseram que não havia informação de estudos clínicos a respeito do novo medicamento. Não estaria comprovada, portanto, sua eficácia e segurança, o que poderia pôr em risco a vida de pacientes.

Ao menos dois hospitais barraram o remédio mesmo antes da proibição judicial: o Boldrini e o Graac.

O Ministério Público Federal moveu ação contra a União. No dia 24 de setembro, o juiz federal Rolando Valcir Spanholo, do DF, concedeu liminar determinando que o governo não compre e nem distribua novos lotes do LeugiNase. A decisão também determinou licitação para aquisição de L-asparaginase.

No processo, o juiz não poupou críticas ao governo. Spanholo comentou que o Ministério da Saúde nem sequer demonstrou ter tentado descobrir junto ao fabricante se houve testes em humanos.

Segundo Silvia Brandalise, presidente do Boldrini, há cerca de 30 anos não existia L-asparaginase no Brasil. A taxa de sobrevida de pacientes cinco anos após o tratamento inicial era de 30%. Com a inserção da droga na poliquimioterapia, o índice chegou a 80%. O Boldrini gastou cerca de R$ 600 mil neste ano para comprar o Aginasa, já que recusou o LeugiNase.

Em 14 de dezembro, o Ministério da Saúde realizou pregão para comprar 50 mil unidades de L-asparaginase. O preço mais baixo (R$ 82,50 o frasco) foi de outro laboratório chinês, representado pela empresa Xetley (a mesma que distribuía o LeugiNase). Brandalise diz que “ninguém nunca ouviu falar” do medicamento, chamado Leucospar, e teme a repetição da novela LeugiNase.

O Boldrini pediu ao Ministério da Saúde provas da eficácia do remédio. A licitação não foi concluída, e o governo diz que ainda vai analisar documentos que atestem a eficácia e segurança do Leucospar.

OUTRO LADO

O Ministério da Saúde admitiu que, mesmo depois da proibição, enviou nota aos Estados e hospitais oncológicos que usam o L-asparaginase alertando para que não interrompessem tratamentos, “pois a decisão judicial foi de cunho gerencial e operacional, para que a União se abstenha de adquirir e distribuir” novos lotes do LeugiNase.

A posição do órgão se apega a um detalhe da sentença. De fato, a decisão judicial proíbe apenas o governo federal de comprar e distribuir o medicamento. O texto, que é de um juiz federal numa ação em que os réus são União e Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), dois entes federais, não faz referência à distribuição por parte dos Estados, que é quem abastece hospitais.

A União só admitiu sua anuência, porém, depois que a Folha procurou o governo paulista. Primeiro, o ministério ressaltou que cumpre as decisões judiciais e que não enviou mais LeugiNase às unidades da federação nem comprou mais o produto.

A Secretaria da Saúde paulista então afirmou à reportagem que não recebeu qualquer aviso do governo federal para interromper a entrega.

Procurado novamente e questionado se havia avisado aos Estados sobre a proibição, o Ministério da Saúde enviou nota em que admite que orientou a continuidade do tratamento com a L-asparaginase após a decisão judicial.

O órgão disse que os hospitais recebem recursos federais para medicamentos e, se não quiserem o produto oficial, podem comprar outro.

O ministério defendeu o produto chinês. Alega que o remédio tem o princípio ativo L-asparaginase e ação esperada comprovada por seis laboratórios.

Entenda o caso

O que é l-asparaginase
Princípio ativo de uma das drogas usadas na poliquimioterapia. Ela combate a leucemia linfoide aguda, tipo de câncer mais comum entre crianças. A aplicação adequada gera remissão da doença em cerca de 98% dos casos.

A doença
A leucemia linfoide aguda consiste no crescimento excessivo das células progenitoras da medula óssea (responsável pelos elementos do sangue como hemácias, leucócitos e plaquetas).

Histórico
Em 2017, o Ministério da Saúde comprou um novo remédio, o LeugiNase, cujo custo é 1/4 do que o usado antes, o Aginasa (japonês/alemão). Hospitais barraram o remédio. Teste apontou que só 60% do remédio chinês corresponde ao L-asparaginase. No japonês/alemão há 99,5% da substância.

Justiça
O Ministério Público Federal moveu ação civil pública para interromper o uso do medicamento. A Justiça Federal concedeu liminar proibindo a União de comprar e distribuir novos lotes do remédio

Outubro e novembro
O Centro Infantil Boldrini recebeu remessas do LeugiNase. Governo diz que não encaminhou, mas admite que enviou a Estados e hospitais nota para que não interrompessem o tratamento com o remédio

Dezembro
Ministério da Saúde abre novo pregão para compra de asparaginase. Menor preço é da Xetley, mesma distribuidora do LeugiNase. A licitação ainda não foi concluída.

Fonte: Folha de S. Paulo

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies