fbpx

Droga para tratar diabetes ajuda a reverter perda de memória causada por Alzheimer

125

O desenvolvimento de remédios às vezes traz boas surpresas. O Viagra, por exemplo, foi descoberto após uma tentativa de desenvolvimento de uma droga para cardíacos. Agora, uma nova droga feita para tratar o diabetes tipo 2 pode ajudar também a reverter a perda de memória de pacientes com Alzheimer.

VEJA TAMBÉM: 9 avanços científicos descobertos por total acidente

O estudo, feito por universidades do Reino Unido e da China e publicado na Brain Research, é o primeiro a observar uma nova droga de diabetes combinada, com três diferentes substâncias agindo em caminhos biológicos que poderiam impactar também o tratamento da enfermidade. Essa droga combinada poderia ser usada em pacientes com Alzheimer e outras doenças degenerativas.

Christian Holscher, da Universidade de Lancaster, é o autor principal da pesquisa e afirma que, consistentemente, “drogas de multiação feitas para diabetes 2 têm mostrado efeitos neurológicos de proteção”. Holscher já relatou anteriormente descobertas interessantes de uma droga para diabetes anterior, e testes estão sendo realizados em humanos atualmente.

Nessa pesquisa mais recente, o tratamento combina GLP-1, GIP e glucagon, que protegem contra a deterioração neurológica. O estudo, feito em ratos com mutações genéticas causadas pelo Alzheimer, consistiu em dois meses de injeções diárias da droga combinada. Os ratos que receberam o tratamento começaram a mostrar melhoria significativa em desafios em labirintos projetados especialmente para testar a memória.

Os ratos ainda mostraram níveis menores de um tipo de proteína que se acumula, formando plaquetas no cérebro de pessoas com Alzheimer, e responsável pela inibição da capacidade das células nervosas de se comunicar, levando-as à morte.

Os ratos ainda perderam células nervosas em velocidade menor, além de apresentarem menores níveis de inflamação dos nervos.

O diabetes tipo 2 é notoriamente um fator de risco para a doença de Alzheimer, e a produção debilitada de insulina está ligada à degeneração cerebral. Essa última descoberta, em particular, abriu caminho para pesquisas como a de Holscher, além de mostrar que mudanças no estilo de vida que previnem contra o diabetes tipo 2 podem ser usadas também para diminuir as chances de desenvolver Alzheimer.

Fonte: Gizmodo Brasil

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies