fbpx

Brasileiros descobrem hormônio para tratamento de Alzheimer

164

Pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) podem ter encontrado um novo caminho para o tratamento de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Parkison.

Em um estudo publicado no periódico Scientific Reports, os cientistas brasileiros apontam que o hormônio oubaína é capaz de reverter processos inflamatórios –que geram doenças neurodegenerativas– em células da glia do córtex cerebral de camundongos. “As células da glia são essenciais para o bom funcionamento do cérebro, pois protegem e dão suporte aos neurônios”, explica a farmacêutica Paula Fernanda Kinoshita, uma das autoras da pesquisa.

Veja também:

Antioxidantes na dieta são grandes aliados para envelhecer com saúde

Quais são os alimentos indispensáveis no cardápio do idoso

Quer viver 10 anos a mais e com saúde? Saiba o que deve comer

O hormônio oubaína é produzido pela glândula adrenal e em algumas regiões do sistema nervoso central. A substância também é extraída da planta Strophantus gratus e já é utilizada para combater insuficiência e arritmia cardíaca. “Podemos estar diante de um novo caminho, que talvez levará à produção de fármacos para tratamento de doenças neurodegenerativas”, acredita Cristoforo Scavone, professor do Laboratório de Neurofarmacologia Molecular do ICB e orientador do estudo.

Os pesquisadores salientam que ainda há um longo trajeto a percorrer e outras avaliações devem ser feitas para entender melhor o efeito protetor da oubaína.

Fonte: BOL

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies