fbpx

Projeto propõe reembolso de gastos com remédios que faltam nos postos em SP

Assembleia Legislativa de SP aprovou um projeto de lei que cria a nota fiscal da saúde. A compensação seria em créditos fiscais.

199

 

Em São Paulo, um projeto de lei propõe que o governo reembolse os gastos dos pacientes na compra de remédios que faltam nos postos de distribuição gratuita.

O transplante de rins renovou as vidas da auxiliar de limpeza Andreia Fernandes e da costureira Márcia Bertucci, mas essas vidas agora correm risco. Elas têm direito, mas não conseguem receber os medicamentos contra a rejeição, fornecidos de graça pelo SUS. Sem eles, os rins delas podem parar de funcionar.

“Se for assim toda vez que a gente for lá, como a gente vai fazer pra comprar? Esses medicamentos são muito caros”, diz Andreia.

Em Guarulhos, na Grande São Paulo, é a mãe da Duda, a dona de casa Elizabeth Alves, que passa apuro. A filha de oito meses tem hidrocefalia e epilepsia e não pode ficar sem um medicamento de alto custo. Mas quando vai buscar na farmácia pública, ela perde a viagem. “Eu fiz o pedido no dia primeiro de novembro, aguardei os 30 dias e desde então, todos os dias quase eu ligo e pergunto, questiono, eles não têm, eles não têm data, eles não tem remédio”, conta.

Esses remédios fazem parte de uma lista de 869 medicamentos considerados essenciais pelo Ministério da Saúde – que compra e distribui de graça, em parceria com estados e municípios.

“O Sistema Único de Saúde, principalmente aqui em São Paulo, tem rede de postos e farmácias próprios que fornecem esses medicamentos para população que é atendida pelo SUS. O problema é que o fornecimento é irregular”, explica Renato Azevedo Junior, diretor social da Assoc. Paulista de Medicina.

E para forçar o poder público a garantir esses medicamentos à população, surgem algumas propostas. No estado de São Paulo, a Assembleia Legislativa aprovou um projeto de lei que cria a nota fiscal da saúde. A ideia é que o estado reembolse os pacientes que não conseguem o remédio de graça e precisam comprá-lo. A compensação para o bolso do paciente seria com créditos fiscais.

O projeto ainda precisa ser sancionado pelo governo do estado e uma possibilidade é que o reembolso seja feito em uma conta vinculada ao CPF do comprador.

RESPOSTAS

Ministério da Saúde: A assessoria de imprensa do Ministério da Saúde diz que todos os estados estão abastecidos com os imunossupressores para os pacientes transplantados.  Informou, ainda, que a compra do medicamento Vigabatrina, para epilepsia, é feita pelos estados, com posterior reembolso pelo Ministério. Já o medicamento Levetiracetam, também usado no tratamento contra epilepsia, entrou para a lista dos remédios essenciais em setembro do ano passado e deve ser distribuído até março.

Secretaria do Estado da Saúde/SP: Em nota, a Coordenadoria de Assistência Farmacêutica esclareceu que os medicamentos Tacrolimo e Micofenolato de Sódio, para epilepsia, são adquiridos e distribuídos aos estados pelo Ministério da Saúde, que tem feito entregas irregulares desde 2017. Afirmou ainda que o O Governo Federal tem aprovado somente 75% do total solicitado e entregou menos da metade. O Vigabatrina está em falta no mercado e a pasta está em contato com o fabricante exclusivo do produto (Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda.) para que a situação seja normalizada.

Fonte: G1

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies