fbpx

Pesquisadora cria chocolate que faz o intestino funcionar

135

Chocolate funcional tem cápsulas brancas com os probióticos

Chocolate funcional tem cápsulas brancas com os probióticos

  • A engenheira de alimentos e doutoranda Marluci Palazzolli da SilvaChocolate funcional tem cápsulas brancas com os probióticos

PUBLICADO EM 11/01/18 – 03h00 Carla Chein

Pesquisas já comprovaram que, consumido com moderação, o chocolate meio amargo pode ser saudável devido a suas características antioxidantes. Agora, um estudo da Universidade de São Paulo (USP) agregou mais um benefício à guloseima – dois probióticos – criando o chocolate meio amargo funcional, que melhora as funções intestinais e ajuda a reduzir o risco de doenças no intestino.

“A gente pensou em acrescentar um alimento funcional como alternativa para as pessoas que têm intolerância à lactose e que não podem consumir os produtos lácteos com essas características”, explica a engenheira de alimentos Marluci Palazzolli da Silva, autora da dissertação de mestrado, feita na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP, que deu origem ao produto, e doutoranda na mesma unidade.

Para criar o chocolate funcional, Marluci usou dois microrganismos vivos – o Lactobacillus acidophilus e o Bifidobacterium animalis –, semelhantes aos presentes em nossa flora intestinal. O problema é que, ao longo da vida, esses microrganismos vão se perdendo devido ao consumo de alimentos industrializados, como o açúcar, ao abuso de medicamentos e ao estresse.

Para ter efeito, o chocolate funcional precisa ter pelo menos 1 milhão de unidades formadoras de colônia – quantidade de células viáveis vivas – desses microrganismos. “O lactobacilo não suporta muito oxigênio – é microaerófilo –, e a bifidobactéria é totalmente anaeróbia”, explica Marluci. Com receio de que o açúcar e o cacau pudessem levar os microrganismos à morte, ela os colocou em cápsulas durante as pesquisas. “Observamos que eles resistiram à composição do chocolate”, acrescenta. Mas a pesquisadora manteve o uso das cápsulas.

Aprovação. Os estudos do mestrado duraram dois anos. As amostras do chocolate funcional foram oferecidas a 109 voluntários na comunidade da USP. Perguntados se comprariam o chocolate funcional quando estivesse no mercado, 75% demonstraram interesse.

Segundo a pesquisadora, considerando a boa aceitação do chocolate, a viabilidade do uso dos probióticos na composição e o efeito antioxidante do cacau, o chocolate funcional tem potencial para ser oferecido no mercado. O desafio, diz, é a produção em grande escala para ampliar os testes de avaliação junto ao público. “Para produzirmos o chocolate funcional, fizemos uma parceria com a Universidade de Campinas (Unicamp) para usar a planta piloto do Instituto de Tecnologia deles”, explicou. Segundo a pesquisadora, nenhuma empresa mostrou interesse na fabricação do produto até o momento.

Fonte: Jornal Pampulha

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies