fbpx

Associação de farmacêuticos questiona laudo da Usada

188

As alegações de contaminação de suplementos nutriconais dos lutadores Junior Cigano dos Santos, Rogério Minotouro Nogueira e Marcos Pezão em fármacias de manipulação do Rio e São Paulo foram aceitas pela Agência Antidoping dos EUA (Usada), que absolveu os lutadores brasileiros da acusaão de doping os liberou para voltar a lutar. No entanto, a Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anframag) questiona o laudo da Usada que atestou a contaminação, feito com apoio da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD).

Em nota enviada ao CORREIO, a Anframag “considera improváveis as alegações de contaminação” dos suplementos . De acordo com o presidente da associação, Marco Fiaschetti, menos de 2% das 27 mil receitas de manipulação traziam a prescrição de diuréticos, como é o caso da hidroclorotiazida, substância detectada nos exames dos três lutadors e que pode mascarar o uso de outros produtos, como anabolizantes e estimulantes. Além disso, segundo a Anframag, os diuréticos são prescritos junto com outros fármacos, como parte de uma formulação maior.

“Como então é possível que tantas vezes, e sempre envolvendo atletas, possa ser alegada a presença de diurético na formulação?”, questiona Fiaschetti. “A análise histórica dos casos de doping deixa claro que a alegação de contaminação cruzada se tornou uma estratégia de defesa recorrente. No entanto, basta uma análise criteriosa para demonstrar a fragilidade do argumento”, diz o presidente.

A outra substância detectada no exame de Pezão, exclusivamente, foi o anastrozol. Segundo a Anframag, a categoria do medicamento – usado em pacientes com câncer de mama, e utilizado também em tratamento pós-uso de esteroides – exige uma manipulação em ambiente especial, fora de contato com outros setores. “Torna-se, portanto, fisicamente inviável que haja qualquer contato acidental desses medicamentos com suplementos de qualquer natureza”, diz trecho da nota.

Confira a nota da Anframag abaixo:
“Em relação aos casos recentes de doping em atletas de lutas marciais, a Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag) reitera que farmácias de manipulação seguem regras criteriosas exigidas pela legislação sanitária brasileira. A entidade considera improváveis as alegações de contaminação.

Ano após ano, os exames de esportistas apontam não conformidades com as regras internacionais que regulamentam o consumo de medicamentos nas competições. Uma das categorias de substâncias proibidas no esporte detectadas com maior frequência é a dos diuréticos, na qual se enquadra a hidroclorotiazida, porque podem mascarar o uso de outros produtos, como anabolizantes e estimulantes.

Quando o episódio se repete no Brasil, surge a hipótese de contaminação na farmácia. Porém, o diretor executivo da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag), Marco Fiaschetti, é categórico ao afirmar que essa hipótese não é factível. Estudo da Anfarmag, realizado a partir de 2010 com cerca de 27 mil fichas que registram os medicamentos entregues pelas farmácias a cada paciente, mostrou que menos de 2% das receitas médicas aviadas traziam prescrição de diuréticos. Além disso, dentro dessa amostragem ampla, não havia sequer uma receita com prescrição de diurético isolado.

Isso demonstra a baixa frequência com que o setor de farmácias de manipulação trabalha com diuréticos. Demonstra também que, sempre que um diurético é prescrito, o médico opta por prescrevê-lo associado a outros fármacos, como parte de uma formulação maior. “Como então é possível que tantas vezes, e sempre envolvendo atletas, possa ser alegada a presença de diurético na formulação?”, questiona Fiaschetti.

Outra substância que pode mascarar o uso de anabolizantes e estimulantes é o anastrozol. Também nesse caso, a contaminação com suplemento é uma hipótese frágil. O anastrozol pertence a uma categoria de substâncias chamadas citostáticas, e a legislação sanitária exige que todas as substâncias citostásticas sejam manipuladas em cabines isoladas das demais áreas da farmácia, com utensílios próprios e sistema de ar específico. Torna-se, portanto, fisicamente inviável que haja qualquer contato acidental desses medicamentos com suplementos de qualquer natureza.

“A análise histórica dos casos de doping deixa claro que a alegação de contaminação cruzada se tornou uma estratégia de defesa recorrente. No entanto, basta uma análise criteriosa para demonstrar a fragilidade do argumento”, afirma Fiashcetti.

Controle de processo, rastreabilidade, especificação de matérias primas, realização de procedimentos em laboratórios com áreas apropriadas, atuação e supervisão de farmacêuticos ao longo de todas as etapas de manipulação. Todos esses elementos descrevem o processo de preparação de produtos e medicamentos manipulados. A atividade de obtenção de medicamentos e produtos manipulados é regida por uma das legislações sanitárias mais rigorosas do mundo e fortemente amparada em tecnologia.

O setor de farmácias de manipulação é fundamental para a saúde brasileira. Diante disso, a Anfarmag se coloca à disposição das autoridades esportivas e da imprensa para esclarecer quaisquer dúvidas que restem sobre o processo de obtenção do medicamento manipulado e a segurança envolvida.”

Fonte: Correio da Bahia

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies