Notícias do setor farmacêutico

“Falta ´ciência nacional´ para indústria farmacêutica crescer”

429

O presidente da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa – Interfarma, Antônio Brito, afirmou hoje que a falta do que ele chamou de “ciência nacional” impede o desenvolvimento da indústria nacional de fármacos. Segundo ele, há um problema concreto, já que a universidade é avessa à pesquisa aplicada, focando-se exclusivamente na pesquisa de base.

“A universidade não tem coragem de atravessar a rua e se associar à industria”, criticou. Brito participou nesta segunda-feira, 30, do seminário Diálogos Capitais: Saúde, os desafios da saúde no Brasil do século XXI, promovido por CartaCapital.

Por outro lado, afirma o executivo, a indústria “detesta risco”. Para ele, se existe um mercado consumidor forte e apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a fabricação de medicamentos, não há porque investir, e se arriscar, em inovação no segmento de fármacos, a matéria-prima, os princípios ativos para a fabricação de medicamentos.

“Com isso, o Brasil segue pagando o caro e vendendo o barato”, disse se referindo à compra de novos medicamentos desenvolvidos pela indústria estrangeira e aos já considerados commodities fabricados internamente. “O Brasil não pode só produzir pappers, tem que produzir patentes para poder tirar do SUS a carga de pagar caro para comprar o novo.”

Pedro Lins Palmeira Filho, do BNDES O chefe para o departamento de químicos do BNDES, Pedro Lins Palmeira Filho, também presente no debate, prefere enxergar os avanços obtidos pelo setor, especialmente na última década, e acredita que inovação é um conceito evolutivo. “Nenhum país acorda inovando. É um processo. O BNDES faz o balcão, emprestando dinheiro, mas também temos o papel de pensar e induzir o desenvolvimento.”

O chefe para o departamento de químicos do BNDES, Pedro Lins Palmeira Filho, também presente no debate, prefere enxergar os avanços obtidos pelo setor, especialmente na última década, e acredita que inovação é um conceito evolutivo. “Nenhum país acorda inovando. É um processo. O BNDES faz o balcão, emprestando dinheiro, mas também temos o papel de pensar e induzir o desenvolvimento.”

Palmeira Filho concorda, no entanto, que a universidade seja o elo mais fraco neste processo e defende uma aproximação pragmática entre pesquisadores e indústria. Este avanço é fundamental para que a indústria brasileira possa suprir de forma eficiente a demanda crescente por medicamentos para doenças crônicas, por exemplo, que aumentam com o envelhecimento da população.

Quando se fala em inovação, Palmeira Filhos lembra que dos dez medicamentos mais vendidos no mundo, sete são biotecnológicos. Desenvolver a indústria nacional neste segmento é um dos objetivos. “Para ampliar o acesso é necessário uma indústria brasileira forte e essa é nossa esperança no médio e longo prazo num sistema universal”, afirmou.

Ogarí Pacheco, presidente do laboratório Cristália Ogarí Pacheco, presidente do laboratório Cristália, um dos poucos com 100% de capital nacional e que investe em inovação e desenvolvimento de novos fármacos, é enfático em dizer que quem investir apenas em commodities “vai dançar”. Segundo ele, o Brasil precisa superar o déficit de desenvolvimento em relação aos demais países, já que patentes quebradas agora começaram a ser desenvolvidas há pelo menos 30 anos.

Ogarí Pacheco, presidente do laboratório Cristália, um dos poucos com 100% de capital nacional e que investe em inovação e desenvolvimento de novos fármacos, é enfático em dizer que quem investir apenas em commodities “vai dançar”. Segundo ele, o Brasil precisa superar o déficit de desenvolvimento em relação aos demais países, já que patentes quebradas agora começaram a ser desenvolvidas há pelo menos 30 anos.

Dentro deste contexto, Brito lembra que é importante comemorar os avanços do Brasil, mas não se pode esquecer que o País não compete com si mesmo, mas sim num mercado global. E um dos fatores que fazem o País caminhar mais devagar que a concorrência é a burocracia.

Quando se fala especificamente em registro de patentes de fármacos e medicamentos o cenário é desanimador. Segundo Brito, o Instituto Nacional Propriedade Industrial (INPI) conta atualmente com 174 examinadores para 192 mil processos, o que gera uma demora de quase 15 anos. Nos Estados Unidos, uma patente é registrada em cerca de três anos.

Fonte: Carta Capital

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })