Notícias do setor farmacêutico

Embrapii financia projetos para novos fármacos

1.400

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, está unindo grandes empresas do setor farmacêutico para a realização de projetos colaborativos de inovação. “O modelo de financiamento disponibiliza 1/3 de recursos não-reembolsáveis à indústria, com a possibilidade de duas ou mais empresas se unirem para o desenvolvimento de uma nova tecnologia, de forma colaborativa”, explica o diretor de planejamento e gestão, José Luis Gordon.

Um dos primeiros projetos foi a parceria entre o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), a Phytobios e o Aché, firmada em dezembro de 2017, em Campinas. O objetivo é identificar substâncias da biodiversidade brasileira que permitam desenvolver novos fármacos para a área de oncologia e dermocosméticos. O investimento inicial é de R$ 10 milhões, sendo a metade desse valor paga pela Aché, 33% pela Embrapii e 17% a cargo do CNPEM. A Phytobios executa as expedições para coleta das amostras biológicas a serem testadas.

Em janeiro de 2018, o Centro de Química Medicinal de Inovação Aberta da Unicamp (CQMED), credenciado à Embrapii, firmou uma parceria com o Aché e a Eurofarma para o desenvolvimento de novos medicamentos oncológicos e anti-infecciosos. Pela primeira vez no Brasil, as pesquisas serão baseadas no chamado modelo de inovação aberta – ou seja, todo o conhecimento do potencial terapêutico dos alvos biológicos, adquirido até a fase de validação, será de domínio público e poderá ser utilizado na identificação e desenvolvimento de moléculas patenteáveis, após terminada a fase dos estudos.

O projeto, com investimento inicial de R$ 8,4 milhões, visa à pesquisa de novas moléculas para o desenvolvimento de anti-infecciosos, no caso da Eurofarma, além de medicamentos voltados ao tratamento de câncer, no caso do Aché. A Embrapii financiará R$ 1,8 milhão por empresa (total de R$ 3,6 milhões nesta conformação) com recursos não reembolsáveis, sem a necessidade de devolução do montante. O restante será financiado pelas empresas.

“Essa integração permite, ao longo do estudo, uma colaboração internacional, com trocas de experiências, conhecimento e profissionais”, ressalta Gordon. Segundo ele, também oferece uma ampla lista de vantagens, como a divisão de risco, economia de recursos financeiros e redução da redundância na pesquisa, evitando testes desnecessários com moléculas que não foram aprovadas anteriormente.

As empresas interessadas em apresentar projetos e firmar parceria com alguma das 42 unidades credenciadas do Emprapii podem acessar aqui e contatar diretamente a instituição.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.