fbpx

Medicamentos imunobiológicos revolucionam tratamento

100

Considerados o futuro da medicina para o tratamento de pacientes imunodeprimidos, intolerantes aos medicamentos comuns ou pessoas expostas de forma involuntária a agentes infecciosos, os imunobiológicos têm oferecido alternativas para diferentes áreas médicas. Na dermatologia, os remédios mudam radicalmente a forma de tratar a psoríase e também já têm mostrado resultados efetivos para outras patologias dermatológicas. Este foi o tema central do 1o Simpósio Gaúcho de Terapêutica Dermatológica, promovido pela Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS (SBD-RS) promoveu, na sexta-feira (17/08), no campus da Unisinos em Porto Alegre (RS).

– Acreditamos que os imunobiológicos são uma opção excelente para a psoríase, mas também passam a ser uma opção para outras doenças dermatológicas difíceis de tratar. Este encontro teve como objetivo esclarecer seus benefícios e incentivar os dermatologistas gaúchos a estudarem mais ainda este método que veio para ficar – afirmou a presidente da SBD-RS, Clarissa Prati.

O evento contou com quatro painéis. Ministrada por Anber Tanaka, a primeira palestra ofereceu uma exposição geral sobre os imunobiológicos na especialidade.

– Essas medicações conseguem agir em órgãos específicos. Também apresentam melhor eficácia e controle da doença. Têm mostrado dados seguros e sólidos que garantem tranquilidade no seu manejo – declarou Tanaka.

Ao defender que o dermatologista assuma o papel de tratar cada vez melhor o seu paciente, Lincoln Fabricio apresentou os tratamentos mais indicados para pacientes com psoríase.

– Pessoas que apresentam uma doença grave de pele também têm um impacto negativo na sua vida social. Devido ao seu aspecto físico, a psoríase faz com que cada vez mais o paciente se isole. A pele é o maior órgão de comunicação humana e paciente sofre quando ela é comprometida – explanou Fabricio.

De acordo com Daniel Nunes, outro palestrante do Simpósio, a psoríase é tratada, geralmente, com três medicamentos, que apresentam eficácia menor, permitindo até 75% de melhora. Já os remédios imunobiológicos podem garantir o desaparecimento dos sintomas de forma integral.

– Infelizmente, ainda usamos inicialmente a opção mais convencional, pois o acesso é facilitado pela rede pública de saúde. No entanto, é provável que no próximo ano saia o novo tratamento da psoríase que inclua a medicação imunobiológica. Talvez não contemple todos os tipos que podem ser utilizados, mas já será um avanço – explicou Nunes.

Devido ao alto custo, os remédios imunobiológicos para uso dermatológico ainda podem ser adquiridos somente por via judicial ou em casos comprovados de reumatologia. Desta forma, o tema ainda exige amplo debate dos especialistas. Para André Carvalho, este ser o assunto central do Simpósio é muito representativo.

– É importante falar sobre estes remédios. Normalmente usamos para psoríase, mas existem outras doenças como urticária, dermatite atópica, melanoma e doenças inflamatórias – destacou Carvalho.

O Simpósio ocorre às vésperas da 2a Jornada Multisserviços, também promovida pela SBD-RS, no sábado (18/08), no Campus da Unisinos em Porto Alegre (Avenida Doutor Nilo Peçanha, 1600, bairro Bela Vista). A programação inicia às 8h30min e oferece sete blocos temáticos.

Fonte: SIS Saúde

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies