Notícias do setor farmacêutico

Os desafios das bactérias multirresistentes

450

O uso de antibióticos na prática clínica é uma importante ferramenta para todas as especialidades médicas, especialmente no caso de pacientes que apresentam o sistema imunológico mais frágil e são mais suscetíveis a infecções, como é o caso daqueles em tratamento para o câncer ou diabete. Por seu lado, a utilização inadequada dessas medicações também está relacionada ao grave problema da resistência bacteriana, considerada uma das principais ameaças à saúde global pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

A resistência bacteriana pode acometer qualquer pessoa, em qualquer idade ou país, ameaçando a possibilidade de tratar infecções graves. Estimativas da OMS apontam que, a partir de 2050, mais de 10 milhões de pessoas morrerão por ano por causa do problema, superando o número de óbitos por câncer, que hoje chega a 8,8 milhões. Atualmente, cerca de 700 mil mortes por ano são atribuídas à resistência bacteriana no mundo, o que reforça a necessidade de ações integradas, envolvendo o ambiente hospitalar e a comunidade.

Nesse cenário, a OMS vem demandando dos países planejamento e execução de planos nacionais que possam conter o problema e otimizar o uso dos antibióticos, considerando as necessidades de cada local. Dados do Sistema Mundial de Vigilância da Resistência aos Antimicrobianos (Glass), que se referem a 22 países e foram divulgados recentemente, indicam que as bactérias resistentes mais frequentemente relatadas produzem enzimas que inativam cefalosporinas e carbapenens, como a Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae produtora de carbapenemase (KPC) e os Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA).

Infecções por bactérias que expressam KPC refletem um problema importante e até endêmico em diferentes hospitais do Brasil, com altas taxas de mortalidade atribuída, acima de 50%. E, como essas bactérias são resistentes a praticamente todos os antibióticos disponíveis atualmente no país, representam uma grande dificuldade terapêutica. Últimos dados divulgados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mostram que a resistência bacteriana é um problema que vem aumentando no ambiente hospitalar e na comunidade. Na comunidade, o problema está relacionado ao uso inadequado de antibióticos e a condições de saneamento inadequadas.

O efetivo combate à resistência bacteriana deve ser um processo integrado entre os setores de saúde humana, veterinária e agricultura. Protocolos médicos são importantes, mas a população também pode contribuir no combate ao problema seguindo as orientações de indicação e tempo de utilização dos antibióticos, conforme a prescrição médica. O correto diagnóstico clínico e microbiológico também é imperativo para que seja possível racionalizar as indicações desses medicamentos. E o resultado gerado pelo laboratório de microbiologia, em tempo hábil, por meio das culturas e antibiogramas, tem um papel fundamental na adequação e escolha do antibiótico correto.

Existem novas metodologias laboratoriais que permitem a liberação de resultados bastante precoces das culturas e que deveriam ser incorporadas aos serviços públicos de forma mais abrangente. O laboratório Central do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), por exemplo, adquiriu, recentemente, equipamentos que permitem a identificação de agentes infecciosos bacterianos com tempo bastante reduzido em comparação aos equipamentos tradicionais. Assim, o tempo de identificação de agentes bacterianos e fúngicos pode ser reduzido de cinco dias para apenas 15 minutos.

O uso correto de antibióticos, no tempo adequado, está associado a taxas reduzidas de mortalidade e à diminuição do tempo de hospitalização, o que otimiza recursos e pode salvar vidas. Esse cuidado vale, inclusive, para novos antibióticos que deverão chegar em breve ao Brasil para tratamento de bactérias multirresistentes, entre as quais se destacam a própria KPC e a Pseudomonas aeruginosa, ambas consideradas críticas pela OMS para o desenvolvimento de novas opções terapêuticas.

Nesse cenário, é essencial priorizar investimentos e um planejamento estratégico para que os laboratórios de microbiologia públicos possam ser tecnicamente equipados para proporcionar um diagnóstico rápido e preciso do processo infeccioso. Somente com dados locais, trabalho em equipe multidisciplinar e instituições com qualificação microbiológica é que os médicos poderão adequar a terapia antimicrobiana aos seus pacientes, obtendo os melhores resultados e salvando vidas.

*Professora diretora médica do Serviço de Microbiologia do Laboratório Central do Complexo do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina da USP.

Fonte: Correio Braziliense

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })