fbpx

FGTS para financiar hospitais filantrópicos pode ser aprovado

149

Na primeira semana após o primeiro turno das eleições, Câmara dos Deputados e Senado pautaram sete propostas com alta chance de aprovação nos próximos 180 dias, segundo projeção do Estudos Legislativos e Análise Política do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap/Ello) para o Valor Política.

Na projeção do Cebrap/Ello, duas medidas provisórias (MPs), a que revoga incentivos fiscais para a indústria petroquímica, que perderá validade caso não seja aprovada por Câmara e Senado até amanhã, e a que libera recursos do FGTS para financiar empréstimos a hospitais filantrópicos que atendam pelo SUS, têm alta probabilidade de aprovação.

Também na pauta da Câmara, com alta chance de aprovação, estão pautados o projeto que torna automática a adesão ao Cadastro Positivo de crédito e a criação de uma política para estimular o uso de protetor solar como forma de prevenção de doenças.

Os senadores devem discutir esta semana a MP que promove a renegociação das dívidas de agricultores familiares, que provocou polêmica porque o relator incluir jabutis relacionados ao Funrural. Também estão na pauta que médicos sejam punidos como uma infração sanitária se não notificarem sobre doenças transmissíveis e que o receituário de medicamentos terá validade em todo o território nacional. Para o Cebrap/Ello, as três têm alta probabilidade de serem convertidas em lei.

O levantamento do Cebrap/Ello considerou as 34 propostas com impacto econômico que estão na pauta de plenário ou terminativa nas comissões (quando dispensa análise em plenário) da Câmara e do Senado. A probabilidade de aprovação, referente aos próximos 180 dias, é baseada num modelo estatístico sobre o histórico de votações desde 1988.

Fonte: Valor Online

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies