Notícias do setor farmacêutico

Indústria farmacêutica fatura R$ 69,5 bilhões em 2017, alta de 9,4%

2.380
acordos
Crédito Pixabay

A indústria farmacêutica faturou R$ 69,5 bilhões em 2017, valor 9,4% superior ao ano anterior. A alta foi puxada pela venda de medicamentos genéricos e biológicos.

Das 214 empresas que atuam no mercado, 53 concentraram 83,8% das vendas (R$ 58,2 bilhões). No ano passado também foram comercializadas mais de 4,4 bilhões de caixas de medicamentos.

Os dados são do Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico (íntegra), divulgado nesta sexta-feira (23/11) pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão ligado à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“A gente tem visto crescimento constante neste mercado, mesmo em período de crise. Há avanço importante de laboratórios nacionais e públicos. E avanço consistente de mercado de genéricos e biológicos”, disse Leandro Safatle, secretário-executivo da CMED.

Segundo o estudo, o grupo de medicamentos novos responde pela maior parte do faturamento da indústria (R$ 26,5 bilhões). No entanto, há queda “consistente no faturamento [deste segmento] nos últimos três anos”, ressaltou a agência.

A Anvisa também destaca avanço da quantidade de genéricos vendidos nos últimos três anos. Em 2015, representavam 30% do total de embalagens comercializadas. O percentual subiu para 32,4% em 2016 e 34,6% em 2017.

Os dois princípios ativos com maior faturamento no mercado brasileiro foram o Trastuzumabe (usado no tramamento de câncer) e o Adalimumabe (para artrite reumatóide, entre outros), ambos com faturamentos acima de R$ 500 milhões.

Já os princípios ativos mais vendidos são majoritariamente de preços baixos e de venda livre. No topo deste ranking está o Cloreto de Sódio, usado para várias indicações, comercializado em mais de 250 milhões de unidades.

Domínio por grandes empresas

No Brasil, o mercado farmacêutico é composto, em sua maioria, por grandes empresas, conforme mostra o ranking com as 10 empresas/grupos que mais faturaram em 2017, liderado pelo Grupo Sanofi/Medley/Genzyme.

Os laboratórios públicos Fiocruz e o Instituto Butantan estão na 8º e 19º posições, respectivamente, no ranking dos maiores laboratórios do país.

Desafio ao SUS

O faturamento com produtos biológicos foi o que apresentou maior crescimento em 2017 em relação aos anos 2015 e 2016. Segundo a Anvisa, cerca de 50% das compras (R$ 8 bilhões) no Brasil destes medicamentos são feitas por governos.

Safatle disse que o resultado sinaliza um desafio ao Sistema Único de Saúde (SUS). Isso porque as drogas biológicas, em geral, são usadas em terapias novas, de alto custo e que atendem a poucos pacientes, quando comparadas aos genéricos tradicionais.

O secretário-executivo diz que a tarefa da CMED é conseguir alinhar os preços de novas terapias registradas no Brasil com o que está sendo praticado no mundo. “Talvez seja o único bem industrial em que isso acontece. Precificar em parâmetros internacionais foi uma grande conquista”, afirmou.

Parte do acesso aos medicamentos de alto custo é feito por meio de decisões judiciais. Somente a União gastou R$ 1,02 bilhão com a judicialização da saúde em 2017. Apenas 11 medicamentos correspondem a 92% do valor (R$ 965,2 milhões).

“O medicamento de alto custo deixou a população toda hipossuficiente. Quem tem condições de pagar R$ 250 mil numa ampola? Todo paciente vai depender do Estado uma hora ou outra. Isso é um problema global”, alertou Safatle.

Fonte: Jota

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.