Notícias do setor farmacêutico

Farmacêuticos são protagonistas em discussão sobre biomedicamentos

763

O Conselho Federal de Farmácia (CFF) é membro do Grupo de Trabalho (GT) para discutir e formular a Política Nacional de Medicamentos Biológicos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A farmacêutica Pamela Alejandra Saavedra, do Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF), participa desde agosto de 2018, de todas as reuniões mensais do grupo e ressalta a importância do farmacêutico na desmitificação de questões que envolvem o uso desses medicamentos.

Nesta sexta-feira, dia 14 de dezembro, encerra-se o calendário de reuniões, com a consolidação de todos os debates e uma proposta do texto final da Política Nacional de Medicamentos Biológicos no SUS, a ser encaminhada ao ministro da saúde, para aprovação.

O debate envolve temas que vão desde a pesquisa e desenvolvimento, ao processo produtivo, o controle de qualidade, a regulamentação por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a distribuição e o uso racional com a elaboração de protocolos clínicos para o uso específico desses medicamentos. “O GT ouviu todos os atores envolvidos e procurou entender os pontos importantes para cada um”, adiantou Pamela.

De acordo com a farmacêutica, o que mais lhe chamou a atenção foi a participação do controle social, ou seja, dos pacientes usuários desses medicamentos. “Podemos pensar que a principal dificuldade do paciente é o acesso ao tratamento. Talvez a judicialização, mas não, o maior problema relatado é que o paciente não recebeu nenhuma informação junto ao seu medicamento. Não sabe nada sobre ele, não sabe como usar, têm dúvidas sobre a conservação e o armazenamento”.

Pâmela relata que inúmeras vezes o farmacêutico foi citado nos debates como o profissional da saúde que mais pode contribuir para o esclarecimento aos pacientes sobre as diferenças entre medicamentos biológicos e biossimilares, que não tem o mesmo conceito de medicamento de referência e genérico – pois estes são idênticos – e aqueles similares. Isso demonstrou o reconhecimento, pelo grupo, do farmacêutico como protagonista no esclarecimento ao paciente sobre o uso correto, o armazenamento e a intercambialidade entre biológicos e biossimilares.

Sobre o GT

A finalidade do GT, instituído pelo Ministério da Saúde (MS), em 16 de maio de 2018, por meio da Portaria GM/MS nº 1.160/2018, é discutir temas pertinentes à pesquisa, desenvolvimento, produção, regulação, acesso e monitoramento do uso de medicamentos biológicos fornecidos pelo SUS, além de gerar uma proposta de Política Nacional de Medicamentos Biológicos no SUS.

O método de trabalho para a formulação dessa política pública, envolveu a participação de servidores do Ministério da Saúde (MS) e representantes de vários órgãos públicos, instituições de ensino e pesquisa, organizações de pacientes nacionais e internacionais que utilizam biomedicamentos, laboratórios públicos e privados, institutos e conselhos como os federais de Medicina e de Farmácia.

Fonte: Comunicação do CFF

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })