Varejo paulista deve evitar o endividamento e manter controle sobre os estoques

O consumo corre o risco de ser afetado caso a inflação suba, reflexo das incertezas que giram e torno de reformas que precisam ser aprovadas como a da Previdência. Com isso, o varejo paulista deve evitar o endividamento e manter rígido controle sobre os estoques e capital de giro.

No ano passado, o aumento da oferta de crédito com juros em queda, ao lado da melhoria nos índices de desemprego e inflação estabilizada permitiu a recuperação do nível de confiança dos consumidores. O cenário refletiu no comércio, que encerrou 2018 com taxas anuais de crescimento em todas os seus nove segmentos e em todas as 16 regiões do Estado de São Paulo. O aumento anual foi de 5,3% na comparação com o desempenho de 2017.

Veja também:
Variáveis positivas da economia indicam que empresário pode planejar estoque que atenda ao aumento nas vendas
Comerciante paulistano deve alinhar os investimentos em setores mais produtivos
Setor de turismo paulista encerra 2018 com alta de 1% na geração de empregos formais

Apenas em dezembro, as vendas reais calculadas pela Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV) registraram um crescimento de 4% em comparação ao mesmo mês do ano passado. Considerando a série histórica a partir de 2008, foi o melhor resultado do varejo paulista para um mês de dezembro.

Segundo a pesquisa realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o faturamento real atingiu R$ 69,8 bilhões no mês, R$ 2.681,3 milhões acima do valor apurado em dezembro de 2017.

Das nove atividades pesquisadas, oito mostraram aumento em seu faturamento real em dezembro, sendo elas: lojas de móveis e decoração (12,9%), eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (7,8%), materiais de construção (7,5%), autopeças e acessórios (6,8%), supermercados (5,3%), farmácias e perfumarias (5,1%), lojas de vestuário, tecidos e calçados (3,2%) e concessionárias de veículos (1,4%). Essas altas contribuíram para o resultado geral com 4,0 pontos percentuais. Já o grupo outras atividades (-0,3%) apresentou estabilidade e não exerceu influência no resultado.

Capital paulista
As vendas do varejo em dezembro na capital paulista apresentaram um crescimento de 3,2% no seu faturamento real em relação ao mesmo período do ano passado. Considerando a série histórica a partir de 2008, foi o 2º maior resultado do varejo paulistano para um mês de dezembro. A cidade atingiu uma receita de R$22,0 bilhões no mês, R$ 684,9 milhões a mais do que a receita registrada em dezembro de 2017.

Com esses resultados, a taxa acumulada no ano foi de 4,1%, que em termos de valores atuais representa uma um incremento de 8,5 bilhões em comparação ao apurado entre janeiro e dezembro do ano passado.

Em termos setoriais, na capital, as taxas de crescimento foram observadas em todas as nove atividades no mês de dezembro: lojas de móveis e decoração (9,8%), materiais de construção (9,0%), supermercados (4,4%), autopeças e acessórios (4,2%), concessionárias de veículos (3,1%), lojas de vestuário, tecidos e calçados (2,7%), farmácias e perfumarias (2,7%), eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (0,6%), outras atividades (0,4%).

Fonte: Fecomércio SP

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies