Pernambuco tem a primeira farmacêutica trans registrada

Jaqueline Santos, mostrou que é uma exceção a regra. Num país que apresenta um número relevante de mortes de Travestis e transexuais, mais de 150 no Brasil. Segundo estipulado pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais. Jaqueline veio para inspirar outras mulheres a construírem suas vidas de uma forma justa.

Sempre ultrapassando obstáculos por ser uma mulher trans, Jack Santos, se mostra destemida e confiante. No Brasil, muita gente tem uma visão repugnante  desta classe e o preconceito é arraigado e se exterioriza nas mais variadas formas. Jack é a primeira farmacêutica Trans reconhecida e regulamentada. Ela diz: “Não tenho medo de nada, eu enfrento tudo”.

Dede cedo ela já tinha distorções da própria imagem: “Sempre me vi como mulher. Aos 18 anos, decidi fazer o magistério e iniciei o meu processo de transição. Meus pais não aceitaram e cheguei a ser expulsa de casa. Estudava durante o dia e a noite dormia no metrô de Jaboatão, até que uma tia me acolheu”, relembra.

A unidade dificuldade encontrada foi na aquisição do diploma com o nome social.  Apesar do decreto nº 8.727/2016 assinado em abril pela Presidência, que regulamenta o uso do nome social em instituições públicas federais, muitas universidades ainda não têm regras próprias. “Eles justificaram que Jack seria abreviação de nome. Então mudei para Jaqueline e consegui dar entrada no meu diploma”, explica.

Fonte: BOL

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies