"
" "
"

Sindusfarma lança estudo sobre logística reversa

Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) apresentou na última segunda-feira, 8 de abril, o Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica do Sistema de Logística Reversa de Medicamentos, produzido pela KPMG. A apresentação foi realizada pelo sócio da área de supply chain da consultoria, Cristiano Rios.  Segundo o executivo, a pesquisa tem como objetivo atender a uma demanda conjunta de 16 entidades ligadas à indústria, distribuição e varejo, para chegar a um modelo de destinação adequada de medicamentos de uso domiciliar, vencidos ou em desuso, após o descarte pelo consumidor.

“Estamos falando de uma cadeia que envolve mais de 80 mil participantes, uma média de bilhões de embalagens, 5.800 toneladas de medicamentos recolhidos em 2.226 municípios, o que torna o projeto bastante complexo”, ressalta Rios. O estudo analisou três cenários para implantação do programa: ponto fixo, campanhas (farmácias e locais públicos) e adoção de farmácias. Tanto a instalação de um ponto fixo como a de adoção de farmácias teriam gastos estimados em R$ 334,3 milhões ao ano. Já as campanhas teriam um custo potencial de operação de R$ 215 milhões.

Durante a condução da pesquisa, foi identificada uma série de desafios para a implementação de um sistema de destinação ambientalmente adequado de medicamentos.

Custos e retornos esperados: Os resíduos não possuem valor comercial ou potencial de geração de receita, com reaproveitamento mínimo dos resíduos e embalagens para amortizar custos do programa.

Dificuldades da malha logística e particularidades do setor farmacêutico: Necessidade de classificar os medicamentos e/ ou resíduos de medicamentos conforme seu grau de risco e garantir a destinação ambientalmente adequada. Limitação de pontos de destinação em grande parte do território.

– Possíveis impactos ambientais: Riscos sanitários em todos os elos da cadeia. Altos custos da destinação ambientalmente adequada, sem viabilidade de transferência dos custos para o consumidor. Baixa incidência de empresas especializadas em destinação final adequada.

– Aspectos tributários: Questões tributárias devem ser equacionadas com a participação do poder público.

“A aplicação do sistema é factível caso os desafios sejam tratados em conjunto entre indústria, distribuidor, farmácia, consumidor e governo. Caso contrário, o sistema não apresenta equilíbrio nem viabilidade econômica e financeira”, finaliza Rios.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

"
" "
"

2 Comentários
  1. Wilton diz

    No aspecto tributário cabe uma correção ortográfica.

    1. Panorama Farmacêutico diz

      Olá Wilton,
      Agradecemos por nos avisar, já corrigimos

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies