Startup capta R$ 1,5 mi após lançar remédio digital

Fundada em 2015, a Bright Photomedicine combinou soluções de big data, inteligência artificial, física e medicina para desenvolver o primeiro remédio digital do mundo. A inovação permitiu que a empresa captasse R$ 1,5 milhão por meio da Kria, plataforma online de investimento para startups. O medicamento já foi testado em mais de 300 pacientes do Hospital das Clínicas, com redução de 50% das dores em 80% dos casos, e aguarda aprovação da Anvisa até o fim do ano para ser disponibilizado às farmácias ainda em 2020.

Voltado para o combate a dores crônicas e severas, o remédio digital é baseado na fotobiomodulação – processo não invasivo que se vale da energia luminosa para estimular a produção de substâncias biológicas e a regeneração de células danificadas. Após a inserção dos dados referentes ao perfil clínico do paciente na nuvem, um sistema de algoritmos calcula a quantidade ideal de fótons para aplicar na região da lesão. “O remédio não traz os riscos e efeitos associados às cirurgias e analgésicos de alta potência, como os derivados de morfina”, acrescenta Marcelo Sousa, fundador da startup.

Sousa concluía sua gradução em Física enquanto acompanhava a avó, internada com câncer, no hospital. O diagnóstico dos médicos não era nada animador: nada havia a fazer além de cuidados paliativos. “Comecei a perceber que os médicos adotavam processos de física no dia a dia, mas sem dominar o assunto”, lembra. Ele, então, decidiu se especializar no tema, com direito a doutorado no Instituto de Física da USP e na Harvard Medical School.

A união entre física e medicina culminou na criação, em 2015, da Bright Photomedicine e do Light-Aid, uma espécie de curativo para aliviar dores crônicas e auxiliar na cicatrização de feridas e inflamações, também baseado na luz. No mesmo ano, a empresa sagrou-se vencedora do programa de aceleração da Startup Farm. Desde então, seu valor de mercado aumentou 50 vezes. Em 2018, passou a ser incubada no Cietec, centro de inovação e empreendorismo vinculado à Universidade de São Paulo.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

2 Comentários
  1. Rosângela Figueiredo Savi diz

    Com a avanço da tecnologia, era de se esperar, parabéns ao responsável pela forma inteligente do desenvolvimento deste projeto.

  2. Aguinaldo diz

    QUERO SER REPRESENTANTE
    AQUI NO ESTADO DE MINAS

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies