Notícias do setor farmacêutico

War Paint: marca de maquiagem para homens é reflexo da masculinidade frágil

376

Reprodução/Instagram

Com mais de 1,6 milhão de visualizações no vídeo promocional, na última quarta-feira (8), a marca britânica “War Paint” anunciou a disponibilidade da sua linha de maquiagens exclusiva para homens. Na gravação, um homem musculoso e tatuado se maquia, finalizando o “tapa no visual” com um anel de caveira.

O que intrigou muita gente foi o nome da marca de maquiagens: “War Paint”. Em tradução livre, isso significa “pintura de guerra”, uma escolha que certamente mira no seu público alvo: os homens. O que fez muita gente se perguntar: precisa mesmo de tudo isso?

Isso porque a escolha do nome parece ser associada à guerra para tornar os produtos mais “másculos”.

Afinal, um homem que usa maquiagem precisa reafirmar sua masculinidade para aplicar base e corretivo no rosto? Fere tanto a masculinidade usar algo que sempre foi associado a vaidade e, consequentemente, mulheres?

Foram essas as reflexões propostas pela escritora Andi Zeisler, que usou o Twitter para levantar essa discussão sobre o projeto de beleza em questão.

“Não é água, é LIQUÍDO DA MORTE. Não é maquiagem, é PINTURA DE GUERRA. Não é um tampão de ouvido, é um PARAFUSO DE CRÂNIO. Não é um donut, é um BRONUT. Mas definitivamente é a masculinidade frágil”, escreveu ela ao compartilhar o vídeo, mencionando outras marcas que tiveram atitudes semelhantes.

Além de levantar esses questionamentos, Andi mencionou uma resposta da “War Paint” a um dos usuários, em que a marca reforça o desejo de “permitir que a maquiagem seja neutra em termos de gênero”.

“Nosso objetivo é permitir que a maquiagem seja neutra em termos de gênero e, para isso, também devemos ter marcas masculinas específicas”, comunicou.

A divulgação do produto ainda causou incômodo pelo fato de que o protagonista do vídeo, que representa o padrão de masculinidade, não é filmado enquanto passa os produtos, de fato, e com o rosto maquiado. O foco sempre está no que o “caracteriza como um homem”, como apontou @BRIawesome.

“Tipo, eles nem podem mostrar o homem realmente passando a maquiagem porque, meu Deus, isso não o faria parecer tão legal com seu anel de caveira e tatuagens descoladas”, escreveu.

Vale ressaltar que a criação de linhas de maquiagens específicas para homens não deve ser encarado como um problema, visto que é cientificamente provado como a pele masculina é mais oleosa. Mas precisa ser tudo tão “másculo” assim?

A indústria de cosméticos masculinos, avaliada em US$ 57,7 bilhões em 2017, está crescendo exponencialmente. De acordo com a consultoria “Research and Markets”, esse mercado deve atingir US$ 78,6 bilhões até 2023. Como bases hidratantes e bronzeadores, corretivos e delineadores de sobrancelhas – cosméticos propriamente ditos.

Fonte: UOL

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.