Notícias do setor farmacêutico

Obesidade no idoso: nunca é tarde para mudar os hábitos e ganhar mais saúde

625

Obesidade no idoso: nunca é tarde para mudar os hábitos e ganhar mais saúde

A obesidade é uma doença crônica, com sérias repercussões clínicas e o aumento de sua prevalência ocorre em todas as faixas etárias, incluindo a população de idosos, que representa um dos segmentos de maior crescimento da população. Com o aumento de expectativa de vida e grande epidemia da obesidade fica cada vez mais comum a presença de idosos obesos.

Existe uma série de modificações da composição corporal com o envelhecimento. O aumento da idade se acompanha de aumento da proporção de gordura corporal, redução de massa muscular e óssea, além de redistribuição da gordura corporal com maior acúmulo na região abdominal. Estas alterações decorrem de modificações hormonais que acompanham o envelhecimento como redução de hormônios sexuais, IGF-1 e DHEA.

Por conta das alterações de composição corporal, uma condição que deve ser avaliada no idoso é a chamada obesidade sarcopênica, em que há o excesso de gordura abdominal associada a redução importante da massa muscular e função muscular contribuindo para o maior risco de queda e fraturas.

É muito mais comum no idoso com obesidade a perda da independência funcional, ou seja incapacidade de realizar aquelas atividades cotidianas, como sair da cama, tomar banho, vestir-se sozinho. Além da incapacidade, fragilidade e maior risco de desenvolvimento de doenças neurodegenerativas como disfunção cognitiva e demência, particularmente o Alzheimer. Estudos recentes determinaram que a obesidade em indivíduos com mais de 60 anos está fortemente associada com a diminuição de funções cognitivas como memória, por exemplo.

Apesar da obesidade no idoso estar claramente associada à fragilidade, à perda da independência funcional e à disfunção cognitiva, ainda é controverso na literatura se é seguro promover perda de peso em idosos, uma vez que a perda de massa magra poderia piorar a fragilidade. Por essa razão, o tratamento do excesso de peso em pessoas idosas deve sempre incluir exercícios de resistência muscular com o intuito de preservar e melhorar a função muscular. O principal objetivo do tratamento da obesidade no idoso é aumentar sua sobrevida livre de incapacidade e melhorar sua qualidade de vida.

Muitas pessoas acham que é uma missão impossível mudar o estilo de vida em pessoas idosas. Pensam que se a pessoa já viveu a vida toda com maus hábitos, dificilmente mudará agora que está mais velha. Isso é mito e a literatura médica mostra justamente o contrário. Pessoas idosas tem maior aderência a programas de mudança de estilo de vida que os mais jovens! Um dos maiores medos de quem envelhece é perder a independência funcional. Melhorar os hábitos alimentares e não se entregar ao sedentarismo são medidas importantes para evitar a dependência em atividades cotidianas. O importante é saber que nunca é tarde para deixar maus hábitos e ganhar mais saúde!

Fonte: UOL

Veja também:

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })