Surto de sarampo chega a 963 casos nos EUA

Os casos de sarampo nos Estados Unidos continuam aumentando e já chegam a 971 neste ano. Este é o maior número registrado no país em 27 anos, informaram nesta quinta-feira, 30, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês).

A agência federal informou que o número dos primeiros cinco meses de 2019, reportado em 26 estados, ultrapassou os 963 casos registrados ao longo de 1992. Após ressaltarem que os surtos em Nova York e no Condado de Rockland têm se mantido por quase oito meses, os CDC pediram à população que se vacine contra o sarampo, a caxumba e a rubéola.

“Se estes surtos continuarem durante o verão e o outono, os EUA podem perder seu status de eliminação do sarampo”, afirmou a agência federal em comunicado.

Comum no país, o sarampo tornou-se uma doença rara após a implementação de campanhas nacionais de vacinação, nos anos 1960. Na década passada, ela foi considerada como erradicada, atingindo em todo território nacional menos de 100 casos anuais na média.

“Antes do uso generalizado da vacina contra o sarampo, estima-se que entre 3 e 4 milhões de pessoas contraíam a doença todo ano nos Estados Unidos, além de 400 a 500 mortes estimadas e 48.000 hospitalizações”, lembra a agência.

O diretor dos CDC, Robert R. Redfield, destacou que as vacinas são “seguras” e descartou que causem “autismo”, como asseguram algumas pessoas.

Os estados que observaram um maior número de casos são Arizona, Califórnia, Colorado, Connecticut, Flórida, Geórgia, Illinois, Indiana, Iowa, Kentucky, Maryland, Massachusetts, Michigan, Missouri, Nevada, New Jersey, Nova York, Novo México, Oklahoma, Oregon, Pensilvânia, Texas, Tennessee e Washington.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/05/22/duvidas-sobre-vacinas-se-espalham-diz-executivo/

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies