Notícias do setor farmacêutico

Planejamento da Abbott independe de quem está no governo

Abbott
Gerente geral da Abbott Brasil, Juan Carlos Gaona, afirma que companhia enxerga grande potencial no País

Planejamento da Abbott no Brasil é feito ‘independentemente de quem está no governo’, diz gerente geral Apesar de alta carga tributária e infraestrutura deficitária, farmacêutica norte-americana enxerga oportunidades de expansão no País

O mercado farmacêutico brasileiro caminha para um novo recorde de vendas em 2019 após já superar a marca histórica no ano passado, de R$ 62,5 bilhões. Entre janeiro e abril deste ano, foram comercializados R$ 5,54 bilhões em produtos, em comparação aos R$ 5,12 milhões no mesmo período de 2018, segundo dados do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma). Além do aumento de 8,2% na receita, a quantidade de medicamentos também cresceu de 1,328 bilhão de caixas vendidas nos quatro primeiros meses de 2018 para 1,393 bilhão de 2019, alta de 4,9%.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/05/24/drogaria-venancio-promove-campanha-de-vacinacao-contra-a-gripe/

É com este clima de otimismo que a Abbott enxerga no mercado nacional potencial para a expansão das atividades. Com 80 anos de história no País e duas plantas de produção, no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, a companhia norte-americana se divide em quatro ramos de atuação: diagnóstico, dispositivos médicos, fármacos e nutrição.

Sem revelar números, o gerente geral da Abbott no Brasil, Juan Carlos Gaona, afirma que a performance da empresa é maior que o ritmo do mercado nacional. Segundo ele, as vendas da companhia devem crescer mais do que a média estimada do segmento, de 8,5% em comparação com 2018. “A Abbott é uma empresa com US$ 30,6 bilhões de vendas em todo o mundo, e aproximadamente US$ 500 milhões no Brasil, de uma forma bem distribuída nos quatro tipos de negócio”, diz.

Apesar do crescimento constante do mercado fármaco desde a última década, somente neste ano duas multinacionais anunciaram a retirada de suas unidades de produção do Brasil. Justificando a decisão como parte da reestruturação do plano global, a suíça Roche e a norte-americana Eli Lilly afirmaram que vão deixar o País até 2024. Entre as principais razões citadas estão a falta de infraestrutura, a alta carga tributária e a concorrência com o mercado de genéricos.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

De acordo com Gaona, a taxação do governo ainda é um dos principais desafios para o mercado, com índices de até 35% em cima dos produtos fármacos. Ele também diz que a infraestrutura precisa passar por melhorias, como a renovação de aeroportos e outros equipamentos públicos.

Mesmo com os reveses, diz que as operações estão consolidadas no País. “Cada companhia tem seu modelo de negócio. Para o nosso, ter uma fábrica no Brasil é fundamental e não temos qualquer plano de desinvestimentos como essas companhias tiveram”, afirma.

A descrença das multinacionais com o mercado é semelhante ao clima de pessimismo econômico que tomou grande parte do empresariado nos primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro. Após o período de esperanças com a formação de uma equipe econômica com viés liberal, as expectativas acabaram frustradas com os entraves para aprovação da Reforma da Previdência, media tida como essencial para destravar a economia. As perspectivas ficaram ainda piores após a confirmação de retração de 0,2% do PIB no primeiro trimestre deste ano em comparação aos três últimos meses de 2018 segundo dados do IBGE divulgados na última quinta-feira (30).

Apesar do momento delicado, Gaona diz que os projetos da Abbott são desenvolvidos “independentemente de quem está no governo” e do que esteja fazendo. “Estamos engajados com o enorme potencial que o Brasil tem pelo tamanho da sua população e pelo número de pessoas que ainda não tem acesso a medicamentos e tecnologia”, afirma.

Como exemplo, o gerente geral cita o investimento de R$ 20 milhões da Abbott em um novo centro de pesquisa na unidade de produção do Rio de Janeiro em 2015, ano em que a economia nacional teve retração de 3,8%. Segundo Gaona, deste novo centro já saíram três novos produtos e um quarto está em fase de aprovação. “O importante é que desenvolvemos no centro do Rio de Janeiro produtos feitos do que escutamos do mercado brasileiro”, afirma. “No Rio, 90% do que fazemos é consumido do Brasil, já em Belo Horizonte, 90% da produção é para exportação.”

Fonte: IstoÉ Dinheiro

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação