Bolso esvazia bolsonarismo

A casinha de tábuas de 52 metros quadrados de área, localizada em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, funciona como base para o plantão de vendas do empresário Adiel Damer, de 41 anos. O negócio dele é comercializar residências pré-moldadas de madeira, como a que lhe serve de escritório, a preços bem populares – “para o povão, mesmo”, como ele próprio diz. O marasmo da economia brasileira nos anos de 2017 e 2018 fez com que ele enxergasse saída na candidatura de Jair Bolsonaro (PSL).

Agora, com cinco meses de governo Bolsonaro, com o PIB caindo pelas tabelas e seu empreendimento patinando, Damer se mostra arrependido de ter votado no “Capitão”. Considera o governo péssimo. É como se o tiro tivesse saído pela culatra.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/05/24/doria-anuncia-criacao-de-polos-de-desenvolvimento-para-a-industria/

“A gente achava que ia ter mudança. Todo mundo falava que ia melhorar, que a economia ia avançar… A gente apostava bastante. Prometeram mudança. Mudou pra pior”, lamentou.

Segundo o Ibope, Damer é um exemplo do perfil do chamado eleitor arrependido de Bolsonaro: homens de 35 a 44 anos, com renda mensal de dois a cinco salários mínimos, escolaridade até o ensino médio e moradores da região Sul do país, principalmente em cidades da periferia da Região Metropolitana e com população de 50 mil a 500 mil habitantes.  O instituto estima que, como Damer, 1,8 milhão de eleitores que votaram em Bolsonaro e têm perfil semelhante ao dele avaliam o governo como ruim ou péssimo. Esse 1,8 milhão de homens é o segmento mais expressivo de um grupo maior, os 19 milhões de eleitores que, na estimativa do Ibope, teriam votado em Bolsonaro e não avaliam o governo positivamente.

Para o pequeno empresário, não é surpresa que a desilusão com o presidente tenha ganhado corpo entre os que referendaram o bolsonarismo nas urnas e que estejam justamente em seu estrato socioeconômico. Na avaliação dele, esse é o grupo que tem sentido de forma mais severa as consequências da letargia do governo.

“O pai de família que ganhava um pouquinho perde o emprego e vai fazer o quê? É quem está mais sofrendo com o fracasso do governo, com os rumos do país”, sintetizou.

Os clientes de Damer, em regra, se enquadram na classe D. Por isso, ele considera que seu negócio seja um bom termômetro para aferir o ânimo da economia – e os dados apresentados pelo pequeno empresário indicam que seu negócio não vai nada bem. Dos dezesseis potenciais clientes que enviaram pedidos para financiamento neste ano, apenas um foi aprovado.

Damer até reduziu a margem de lucro, mas tem fechado poucos negócios por mês: dois ou, no máximo, três. Para fins de comparação, no ano passado, o volume de negócios era duas vezes maior. No ápice do empreendimento, em 2012 – quando a refinaria da Petrobras, que alavanca a economia do município, ia de vento em popa – Damer chegou a manter dez equipes trabalhando ininterruptamente na montagem das casinhas, que vendia às dezenas. Neste ano, em contrapartida, já houve mês em que ele teve que se desdobrar para cobrir os custos fixos do negócio, de 5 mil reais – que correspondem ao aluguel do terreno, despesas de escritório e salário da única funcionária.

Bolsonarismo

Damer em sua empresa: desencanto com economia ruim – FOTO DE FELIPPE ANÍBAL

“Eu nunca vi seis meses tão ruins quanto estes. A verdade é que o povo está quebrado. O [pedido de] financiamento vai pro banco, bate e volta”, apontou. “O cara que, antes, conseguia aprovar [financiamento de] 20 mil reais, agora mal consegue levantar 2 mil, 5 mil reais. Ele não compra nada. A nossa casinha mais barata custa 16,5 mil reais”, acrescentou.

Na perspectiva de Damer, essa recessão gera uma reação em cadeia. A retração do seu negócio representa menos trabalho para os operários – contratados em regime de empreitada – e menos vendas para os distribuidores de material de construção, que por sua vez compram menos. Todas essas pessoas, com menos trabalho, também comprarão menos, e o impacto se espalha pela economia de um modo geral. O empresário dá exemplos próximos: só no último mês, viu fecharem as portas um restaurante e uma farmácia que funcionavam na mesma rua de seu estabelecimento.

“No ano passado, falavam que era o auge da crise, que com a eleição do Bolsonaro o mercado ia acalmar, e as coisas iam melhorar. A verdade é que no ano passado, com a crise que falavam, estava dez vezes melhor do que agora”, disse. “Achei que o povo ia ter mais acesso a crédito e que a economia fosse girar. Hoje, o cara está bem mais endividado que antes. Saiu o resultado do PIB e nada… A economia não está girando”, avaliou.

Damer não é um bolsonarista de primeira hora. Nunca fez campanha ou bateu boca por causa do capitão e dá de ombros às pautas ideológicas do presidente. Também nunca assistiu a uma live de Bolsonaro pelo Facebook nem leu nada relacionado a Olavo de Carvalho. Apesar disso e além das perspectivas relacionadas à economia, outro fator o fez apoiar o então candidato do PSL: a aversão ao PT. Garante que jamais votaria em Lula e sempre associa o partido a substantivos como “roubalheira” e “corrupção”.

“Eu sempre votei contra o PT. Acho que é de família porque meu pai também não curtia. Então, eu também acabei votando no Bolsonaro pra tirar o PT, pra acabar com essa roubalheira, com Lula preso, Dilma não sei o quê…”, afirmou.

Filho de um pastor evangélico e de uma dona de casa, Damer tem um filho de 8 anos de idade, que estuda em colégio municipal. Como nunca foi casado, ainda hoje o empresário mora com a mãe. Concluiu o ensino médio todo em escola pública e, após ser demitido de uma “empresa grande”, em 2009, montou seu negócio de venda de casas populares em Araucária – de olho na expansão da refinaria da Petrobras no município, a partir de 2006, ano em que o petista Luiz Inácio Lula da Silva foi reeleito presidente da República. Agora, com a crise que encolheu sua renda para algo entre três e quatro salários mínimos, vive com justo equilíbrio – sem se endividar ou passar por privações, mas também sem excessos. Seu único bem é uma moto, que lhe serve como meio de transporte. Até pouco tempo, uma de suas principais atividades de lazer era jogar futebol com amigos, mas uma lesão no joelho o tirou dos gramados.

Apesar de ter sido criado como cristão, Damer faz pouco caso da aproximação de Bolsonaro com a bancada evangélica – o que ele acredita ser mise en scène – e das agendas moralistas defendidas pelo presidente. O empresário também considera que o presidente causa desgastes desnecessários ao fomentar polêmicas pelo Twitter e ao entrar em embates gratuitos pelo viés ideológico, além de avaliar como desastrosa a articulação do Planalto com o Congresso.

“É só buchicho pela internet e não vira nada. Nada dessas coisas interessa para o povo. O que vai pôr dinheiro no bolso do brasileiro é a economia”, defendeu. “A gente não sabe o que rola lá [entre o Bolsonaro e o Congresso], mas não está virando nada bom para o povo”, completou.

As constatações de que o governo está a um nível “péssimo” vêm em tom de desalento. Ainda na fase de formação do ministério, Damer chegou a se entusiasmar com a indicação de Sergio Moro (Justiça) e de Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações). Mas logo no início do governo, as sucessivas polêmicas que Bolsonaro e seu “time” geravam ou nas quais se envolviam serviram como um alerta ao empresário de que as mudanças que ele esperava não ocorreriam tão facilmente.

“No começo, a gente pensou que o governo ia andar. Vieram o Moro, o astronauta [Pontes]… Gente boa. Só que também veio muito ministro que só fica entrando em bola dividida por coisas que pouco interessam ao povo. E ele [Bolsonaro], mesmo, parece que está mais interessado nessas polêmicas do que resolver o que é urgente”, analisou.

Pelo que vê na tevê e lê na internet, Damer acredita que o presidente deveria centrar fogo na reforma da Previdência, mas já demonstra certo ceticismo em relação aos efeitos que a medida traria, efetivamente. Desapontado, garante que não voltaria a dar seu voto a Bolsonaro se as eleições fossem hoje, mas, por outro lado, também manifesta incerteza diante do cenário político. Ainda que soe contraditório, apesar de considerar o governo péssimo, o empresário diz que vai continuar apoiando o presidente até que veja uma nova alternativa.

“Você olha e não tem um nome. Na eleição passada, eu votei no Aécio [Neves (PSDB)]. Aí, depois foram descobrir que o cara está envolvido em falcatrua atrás de falcatrua. Não dá pra acreditar em político. Eu vou confiar no Bolsonaro mais uns dias pra ver o que vai dar, até porque não tem muito mais o que fazer. Tem que ter esperança, apesar de tudo”, finalizou.

No ato em defesa da educação realizado no Centro de Curitiba no dia 30 de maio, a reportagem da piauí encontrou um vendedor de capas de chuva que também votou em Bolsonaro, mas agora avalia o governo como “péssimo”. Morador de São José dos Pinhais – cidade da região metropolitana de Curitiba e detentora do segundo maior PIB do Paraná –, ele perdeu o emprego de motorista no início de maio, quando foi demitido com uma leva de colegas da mesma empresa. Ele e a mulher, também desempregada, têm recorrido ao mercado informal para pôr comida na mesa e pagar as contas.

O ambulante só concordou em conceder entrevista sob anonimato, por considerar que a publicação de seu nome poderia prejudicá-lo na recolocação ao mercado de trabalho. Disse que aderiu a Bolsonaro quando a candidatura sequer tinha sido oficializada e que chegou a fazer campanha nas redes para o então candidato do PSL. O que fez com que se aproximasse do bolsonarismo, essencialmente, foi o discurso anti-PT e o posicionamento duro do militar em relação a minorias e a direitos humanos.

O vendedor afirma que, mesmo tendo se desapontado com Bolsonaro, voltaria a votar no capitão em eventual nova disputa com o PT. Apesar disso, se diz bastante frustrado, principalmente no que diz respeito à dificuldade do governo em fazer a economia voltar a crescer. “Até agora, o que é que teve? Só Twitter, bate-boca e nada de prático. A economia está parada. Quem tá sofrendo é o pobre, porque o empresário grande fica só esperando”, disse.

Um professor de 36 anos se definiu como “amargamente arrependido” de ter votado em Bolsonaro e disse que não voltaria a cometer jamais “o mesmo erro”. O docente, que leciona matemática em um colégio estadual de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, também pediu para não ser identificado, por receio de “ir parar numa dessas páginas de ‘Bolsominions Arrependidos’” – em alusão a perfis em redes sociais que compilam postagens de eleitores do presidente que se tornaram críticos do governo.

Ele também referendou a candidatura do PSL a partir da equação que tinha como variáveis “tirar o PT” e “melhorar a economia”. Hoje, no entanto, o professor afirma ter se decepcionado com a inabilidade política do presidente. Cita o exemplo de Lobão – que apoiou o Bolsonaro, mas que, recentemente, declarou que o mandatário não teria “capacidade intelectual” para governar – e classifica o militar como “muito incompetente”. “Eu reconheço que errei”, disse, cabisbaixo.

Preocupado, o professor diz ter percebido que alguns alunos se tornaram mais intolerantes após a eleição – o que ele enxerga como reflexo das atitudes do Bolsonaro. Ele contou que, em uma de suas aulas, falava sobre questões irrefutáveis, numa analogia com as ciências exatas. Ao citar o fato de a Terra ser redonda e orbitar em torno do Sol, foi questionado por um aluno. “Ele se levantou, bem agressivo, e disse que essa era só a minha opinião, que não tinha provas disso. A educação não pode conviver com esse tipo de coisa”, lamentou. “Infelizmente, o país está se tornando isso.”

Fonte: UOL

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies