NEC vai utilizar inteligência artificial para testar medicamentos contra o câncer

A NEC Corporation vai utilizar suas tecnologias de inteligência artificial, pertencentes ao portfólio “NEC the WISE”, para o desenvolvimento de medicamentos contra o câncer. O estudo tem foco nos cânceres de cabeça, de pescoço e de ovário. A tecnologia de AI será utilizada nos testes dos medicamentos.

O sistema da NEC utiliza sua tecnologia de AI proprietária, que conta com aprendizagem relacional baseada em gráficos, combinada com outras fontes de dados para descobrir alvos neoantígenos candidatos. Sendo assim, a tecnologia da NEC é capaz de efetivamente priorizar os numerosos neoantígenos candidatos identificados em um único paciente.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

Inicialmente, testes clínicos para vacinas de neoantígeno, ou seja, uma substância estranha ao organismo que desencadeia a produção de anticorpos, serão iniciados em parceria com a empresa Transgene AS. Desta forma, a NEC passa a ser a primeira empresa no Japão a iniciar esse tipo de pesquisa.

Os testes clínicos serão realizados nos Estados Unidos e na Europa. Em abril, um requerimento para o programa de investigação New Drug (IND), da Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos, recebeu autorização para prosseguir com uma pesquisa clínica de Fase 1.

Nos últimos anos, o advento da análise dos genes resultou em um enorme crescimento nos dados desta área, que exigiram o emprego de ferramentas, como a inteligência artificial, para serem processados de forma eficiente e precisa. Nesse contexto, a estratégia da NEC é fazer com que seu negócio focado na descoberta de medicamentos baseada em IA seja avaliado em cerca de US$ 2 bilhões até 2025, graças ao desenvolvimento de imunoterapias mais eficazes e seguras.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/06/07/nova-droga-se-mostra-promissora-contra-cancer-de-pele/

Estima-se que 18,1 milhões de novos casos de câncer foram diagnosticados em todo o mundo em 2018. A doença é declarada como a principal causa de morte no Japão.

Fonte: Terciotti Advogados

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação