Congo declara epidemia de sarampo após doença matar mais que Ebola

SarampoO governo do Congo declarou na segunda-feira (10) uma epidemia de sarampo, que, segundo as cifras mais recentes do Ministério da Saúde mostram, já matou ao menos 1.500 pessoas, mais de uma centena além daquelas mortas pelo Ebola.

Enquanto as autoridades de saúde se concentravam na muito mais fatal febre hemorrágica viral do Ebola, que se concentrou no leste sem lei da República Democrática do Congo, cerca de 65 mil casos possíveis de sarampo foram relatados no vasto país do centro africano.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/06/07/campanha-de-2019-da-farmacias-associadas-e-da-spr/

O Ministério da Saúde revelou os números do sarampo ao declarar a epidemia na segunda.

A organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) disse nesta terça-feira (11) que 1.500 mortes por sarampo foram registradas nos cinco primeiros meses de 2019, a taxa mais alta desde 2012, que teve a epidemia de sarampo mais mortal da última década.

Até agora o Ebola matou 1.390 pessoas na província congolesa de Kivu do Norte, segundo mostraram as cifras mais recentes do Ministério da Saúde.

Pedido de vacinas

A MSF pediu “uma mobilização maciça de todas as organizações nacionais e internacionais relevantes para vacinar mais crianças e tratar pacientes afetados pela doença”.

O Ministério da Saúde disse que sua campanha de vacinação visará 1,4 milhão de crianças pequenas e que 2,2 milhões foram vacinadas em abril.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) lançou a campanha #VacinasFuncionam em abril para se contrapor a uma reação contra a vacinação provocada por pais de diversas partes do mundo.

Fonte: O Globo

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar

Política de privacidade e cookies