Notícias do setor farmacêutico

Mulheres conquistam espaço na pesquisa científica

387

Pesquisa Científica

Quando o assunto é ciência, homens são os mais conhecidos: Albert Einstein, Isaac Newton, Charles Darwin e, no Brasil, Osvaldo Cruz e Carlos Chagas refletem anos de exclusão da participação feminina no meio científico. O cenário, no entanto, passou por mudanças importantes e significativas nos últimos anos. De acordo com relatório publicado em 2017 pela consultoria Elsevier, Brasil e Portugal são os países com maior equidade de gênero no mundo científico. A participação das brasileiras em pesquisas passou de 38%, entre 1996 e 2000, para 49%, entre 2001 e 2015.

Para que mais mulheres se juntem a cientistas como a matemática Marilda Sotomayor e a bióloga Bertha Lutz, o incentivo é essencial. Segundo levantamento do último Censo da Educação Superior, as mulheres representam 57,2% dos estudantes matriculados em cursos de graduação e é justamente nesse espaço que elas podem encontrar ferramentas e incentivos para ingressar no meio científico. A Newton Paiva oferece esse ambiente de fomento à pesquisa há 20 anos, através do Programa de Pesquisa e Iniciação Científica.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/06/10/nec-vai-utilizar-ai-para-testar-novos-medicamentos-contra-o-cancer-2/

A ex-aluna da Newton, Priscila Souza, encontrou no centro universitário a oportunidade de participar de um projeto de iniciação científica e descobrir que a pesquisa é o caminho que deseja trilhar em sua carreira de engenheira química. Em 2017, durante o último ano de sua graduação em Engenharia Química, ela participou do Programa de Iniciação Científica que desenvolveu um composto, a partir de resíduos orgânicos da agricultura, para a fabricação de telhas e pisos para serem utilizados na construção civil. A ideia é que esses materiais sejam usados, futuramente, na construção de casas populares por serem sustentáveis e de baixo custo. “Me apaixonei pela pesquisa e o próximo passo é o mestrado. Essa área ainda é dominada por homens, principalmente na orientação de estudantes, mas vejo o cenário mudando. Mestrandos e doutorandos são, em sua maioria, mulheres. Nosso desejo por novas ideias, nosso gosto pelo estudo e nossa percepção estão nos fazendo conquistar esse espaço e mostrar nosso valor”, explica.

O campo da pesquisa é amplo e precisa ser explorado, ressalta a estudante de Farmácia da Newton, Cláudia Pimentel. Ela participou por dois anos de um projeto de pesquisa que desenvolveu, a partir de matéria prima retirada da lã de ovelhas, um produto com ação carrapaticida para bovinos. Premiado no Congresso Nacional de Iniciação Científica de 2016 como o segundo melhor projeto na categoria Ciências Biológicas e Saúde do Brasil, a pesquisa foi apenas o início da carreira como pesquisadora da estudante. “Desenvolver uma pesquisa é uma caixa de surpresas, pois não sabemos o que encontraremos no desenrolar do projeto e isso é o que me fascina, as novas descobertas a cada etapa. Eu adoro pesquisa, é um trabalho que nos faz crescer acadêmica e pessoalmente. Não é uma área fácil, principalmente para mulheres, falta investimento. Por isso devemos aproveitar o ambiente universitário e nos impor cada vez mais para que nossa busca por conhecimento não seja interrompida”, explica a aluna.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Terra

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })