Notícias do setor farmacêutico

Cristália inaugura primeira Farmoquímica Oncológica (de alta potência) do País

1.042

O Laboratório Cristália, anuncia a inauguração da planta Farmoquímica Oncológica. A nova unidade industrial do laboratório, instalada no Complexo Industrial para a Saúde, em Itapira (SP), nasce produzindo seis diferentes Insumos Farmacêuticos Ativos (IFAs) de Alta Potência, que serão utilizados para a produção de medicamentos para o tratamento de adenomas, câncer de mama, pulmão, medula, ossos e cérebro.

Para esta nova conquista, a empresa investiu cerca de R$ 150 milhões com recursos próprios na construção de uma planta produtiva com mais de 3 mil metros quadrados. “O Brasil hoje importa 100% dos insumos para a produção de medicamentos contra o câncer. Isso não apenas torna o País dependente de insumos tão estratégicos, como reduz o acesso dos pacientes a tratamentos de ponta. A Farmoquímica Oncológica Cristália é um grande passo para mudar esta realidade”, define Dr. Ogari de Castro Pacheco, cofundador do laboratório.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

O Cristália já conta com uma planta Farmacêutica Oncológica, que produz o medicamento final que chega a pacientes e hospitais. Mas, para a produção desses medicamentos, era obrigado a importar os IFAs. A Farmoquímica Oncológica ficará responsável por fornecer para a unidade farmacêutica os seguintes IFAs: Ácido Zoledrônico, para inibição da reabsorção óssea osteoclática do tumor; Bortezomibe, indicado para o tratamento de mieloma múltiplo; Cabergolina, para o tratamento de adenomas hipofisários secretores de prolactina e hiperprolactinemia idiopática; Anastrozol, para o tratamento do câncer de mama em mulheres pós-menopáusica; Pemetrexede, para o tratamento de mesotelioma pleural e câncer de pulmão; e Temozolomida, utilizado no tratamento de cânceres cerebrais e para o glioblastoma multiforme.

Pioneirismo em Farmoquímica

Líder em pesquisa e desenvolvimento, o Cristália investe cerca de 4% do faturamento anual na criação de novos medicamentos ou tecnologias inovadoras para a saúde. A trajetória do laboratório no segmento Farmoquímico começou em 1983, ano em que foi inaugurada a primeira unidade de produção de IFAs. “O Brasil ainda importa 90% dos IFAs necessários à produção de medicamentos. Nós, do Cristália, já produzimos mais da metade dos insumos que utilizamos. Nossa meta é reduzir drasticamente nossa dependência nesta área”, afirma Dr. Pacheco, ressaltando que a Farmoquimica Oncológica tem planos, inclusive, de exportar estes insumos.

A inauguração da nova planta envolveu intenso trabalho de pesquisa para a escolha das tecnologias mais modernas, seguras e sustentáveis, utilizando equipamentos especiais, adquiridos, em sua maioria, na Alemanha, Suíça e Itália. Devido à alta toxicidade e à sensibilidade dos insumos oncológicos, a manipulação deve ser realizada em ambiente especial que assegure uma barreira física entre os operadores e o processo.

Todo o ambiente é controlado, garantindo extrema pureza da água, ar e com temperatura adequada. A planta também dispõe de um sofisticado e inovador sistema de tratamento de resíduos, com degradação específica dos componentes mutagênicos e genotóxicos, que podem causar mutação ou dano ao DNA celular. A capacidade produtiva é de 6 a 8 toneladas por ano.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/06/13/qualquer-pessoa-vai-poder-plantar-maconha-entenda-a-proposta-que-a-anvisa-coloca-para-consulta/

Déficit da Balança Comercial

Dr. Ogari Pacheco ressalta que o Brasil precisa fazer um grande esforço em busca da redução da dependência na produção de IFAs e medicamentos. De acordo com dados da ABIQUIFI (Associação Brasileira da Indústria de Insumos Farmacêuticos), em 2018 o país importou cerca de US$ 10 bilhões em medicamentos e insumos farmacêuticos e exportou apenas US$ 1,8 bilhões, o que resultou em déficit de US$ 8,2 bilhões.

“Precisamos deixar de ser apenas um exportador de commodities para passar a exportar produtos de alta tecnologia e valor agregado. E, para isso, é preciso investir em pesquisa científica”, explica Dr. Pacheco. O cofundador do Cristália lembra ainda que, recentemente, grandes grupos farmacêuticos internacionais anunciaram que deixarão de produzir medicamentos no país, passando apenas a importar, o que poderá aprofundar o déficit da Balança Comercial.

É importante ressaltar que, no Complexo Industrial para a Saúde do Cristália, já estão instaladas: duas plantas Farmacêuticas, uma Farmacêutica Oncológica, uma Farmoquímica e duas plantas de Biotecnologia, todas produzindo insumos farmacêuticos e medicamentos. O complexo conta também com um centro inteiramente dedicado a Pesquisa & Inovação.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.