Notícias do setor farmacêutico

Dasa investe R$ 60 milhões em área genética

696

Maior rede de medicina diagnóstica do país, a Dasa já investiu R$ 60 milhões em seu negócio de genética criado há dois anos. O aporte inclui investimentos num centro de processamento de exames, com máquinas de sequenciamento genético, inaugurado nesta semana, que dobra a capacidade da companhia de processar exames genéticos para 100 mil testes por ano. A expectativa é que a nova área, batizada de GeneOne, seja maior do que a própria Dasa no período de dez anos.

“Esse fenômeno ocorreu com a BioReference, que também pertence a uma empresa de medicina diagnóstica dos Estados Unidos, onde esse mercado é bem mais desenvolvido”, disse Emerson Gasparetto, vice-presidente da área médica da Dasa.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/04/22/tratamento-usa-virus-do-hiv-para-curar-criancas-com-sistema-imunologico-fragil-diz-o-globo/

Com cerca de 750 unidades espalhadas pelo país, a rede de medicina diagnóstica registrou uma receita líquida de R$ 3,1 bilhões no ano passado. O grupo é dono de bandeiras como Delboni Auriemo, Lavoisier, Alta Diagnóstica, Sergio Franco, Salomão Zoppi, entre outras.

A capilaridade da companhia no mercado brasileiro é um dos fatores que vêm contribuindo para a expansão da operação de genética. Em muitas regiões não havia, até então, laboratórios que oferecessem testes genéticos, embora os planos de saúde sejam obrigados a dar cobertura para esse tipo exame no tratamento de 35 doenças. A exigência fez muitas operadoras de convênios médicos credenciarem as unidades da Dasa, desde que os novos serviços começaram a ser oferecidos, para evitar que fossem acionadas na Justiça.

Apesar do crescimento, o negócio de exames genéticos ainda é pequeno e deficitário para a Dasa. A área é vista como uma aposta de longo prazo e foi eleita como prioritária pelo presidente da companhia, Pedro Bueno, que no ano passado deixou o dia a dia da operação para se voltar a temas estratégicos e ligados à inovação.

Além dos equipamentos, a companhia está investindo fortemente na contratação de médicos renomados e cientistas de dados especializados em genética ou geneticistas com especialização em dados. São profissionais contratados a peso de ouro, inclusive, com direito a ações da companhia. Gustavo Campana, diretor médico da Dasa, afirma que os equipamentos não são o único diferencial e, sim, a equipe técnica que faz um diagnóstico muito mais apurado. Por exemplo: um equipamento pode apresentar um diagnóstico com 40 mil mutações, mas com a curadoria do profissional esse número cai para 10 mil. “Ou seja, pode haver 30 mil falsos positivos. Isso significa que só ter a máquina não é a solução, ao contrário”, disse.

A Dasa quer se diferenciar no mercado oferecendo também serviços de aconselhamento sobre quais caminhos seguir no tratamento após o diagnóstico, medicina de precisão e análise de informação de pacientes para formação de bancos de dados sobre as características genéticas da população brasileira, que ainda não existe no país.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Valor Econômico

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })