Além do básico: quais as exigências da água na indústria farmacêutica?

As soluções de filtração da água são necessárias dentro da indústria farmacêutica porque a água um solvente universal que pode carregar substâncias indesejadas.

Como em qualquer outro setor, na indústria farmacêutica também é essencial a utilização da água filtrada. O tratamento pelo qual ela passa antes de os produtos serem fabricados, é o que a torna própria para essa finalidade. Sem contaminantes ou qualquer tipo de substância, a qualidade dos medicamentos e cosméticos não fica comprometida, sem contar no aumento da durabilidade dos equipamentos. Além disso, é importante compreender que a água também tem um importante papel paralelo aos processos de produção, como na limpeza de materiais e superfícies.

Asstefil , especialista em sistemas de tratamento de água e filtragem, explica que a otimização da produção das empresas é possível a partir de soluções de filtração de água criadas sob medida. “Elas são capazes de melhorar a eficiência de água e gerenciar os fluidos e soluções de águas residuais”, explica. Esse tratamento é necessário dentro da indústria farmacêutica justamente porque a água é um solvente universal que pode carregar consigo substâncias indesejadas. Como geralmente ela é coletada do abastecimento público, o prévio tratamento realizado pelos órgãos competentes com cloro não atinge o grau de desinfecção necessário para utilização pela indústria farmacêutica. Há um padrão de potabilidade requerido dessa água, pois é imprescindível a ausência total de quaisquer micro-organismos e também do cloro. Para que isso seja possível é preciso eliminar as impurezas físico-químicas, biológicas e microbianas com equipamentos específicos.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Como o uso é alto, a terceirização desse serviço não é interessante, obrigando as empresas a equiparem seus espaços. Entre as tecnologias utilizadas na indústria farmacêutica está a eletrodeionização, a osmose reversa e a ultrafiltração. Para entender melhor, o primeiro processo é o que remove os íons da água, combinando resinas de permuta iônica e membranas de seleção iônica com corrente contínua. A osmose reversa, também baseada na remoção das impurezas da contaminação iônica, é usada para obtenção de água pré-purificada de alta qualidade para muitas aplicações rotineiras de laboratório. Por fim, a ultrafiltração é uma tecnologia que consegue remover minúsculas partículas através de filtros de membrana com diâmetros de poros de 1 a 10 nm, além de bactérias e pirogênicos.

A escolha do método varia de acordo com a qualidade desejada para a água. Para isso, o sistema pode ser usado de maneira isolada ou combinada, desde que feitos com precisão. A manutenção desses sistemas também é de fundamental importância, uma vez que sua falha pode ocasionar uma série de complicações indesejadas. A Asstefil reforça que a atenção para o tratamento da água na indústria farmacêutica é imprescindível. “Desde a aquisição das máquinas e acessórios é importante analisar a procedência, a eficácia e também a facilidade de manuseio e manutenção, para que futuramente os problemas não se agrave”, orienta.

As variáveis da água na indústria farmacêutica vão de potável à ultrapurificada, dependendo do uso. A água reagente, geralmente utilizada na limpeza de materiais e equipamentos, é obtida por um ou mais processos como destilação simples, deionização, filtração, descloração ou outro, adequados às características específicas de seu uso. Todas elas exigem atenção redobrada com as necessidades de purificação e à melhor maneira de fazer isso.

Fonte: Casa de Notícias

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/07/11/complicacoes-da-artrite-reumatoide-podem-ser-evitadas-com-diagnostico-e-tratamento-precoces/

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar