Vendas caem e Herbalife tenta corrigir estratégia

A Herbalife, empresa americana de vendas diretas, está mudando a estratégia no Brasil. Seu principal mercado, o de suplementos nutricionais para emagrecer, encolheu. E apenas 30% da sua força de vendas está interessada em revender os produtos – 70% é de consumidores finais em busca de descontos. Seu faturamento caiu 15%, para R$ 545 milhões, no ano passado. No primeiro trimestre deste ano as vendas continuaram encolhendo. E o segundo trimestre não trouxe a recuperação esperada.

 

No mundo, no primeiro trimestre, a desaceleração das vendas na China fez com que o faturamento global, de US$ 1,2 bilhão, empatasse com os primeiros três meses de 2018. A receita cresceu 10% no ano passado, para US$ 4,89 bilhões. O lucro foi de quase US$ 300 milhões, com expansão de 38,6% em relação a 2017. No Brasil, Jordan Rizetto, diretor-geral da subsidiária local da Herbalife, trabalha para reverter a trajetória de queda neste segundo semestre. É uma tarefa árdua. Ele observa que a empresa enfrenta um cenário difícil, com a economia estagnada. Mas além de uma conjuntura desfavorável, pesquisando mais a fundo a sua força de vendas e o comportamento do consumidor, ele descobriu outros problemas.

 

Cerca de 70% do que a Herbalife pensava ser sua força de vendas é composta, na verdade, de consumidores finais, que se cadastravam como revendedores para poder comprar os produtos com desconto, principalmente o “shake”, uma fórmula em pó que promete ajudar o consumidor a perder peso. Vendido numa embalagem de 550 gramas, o carro-chefe da companhia custa R$ 150. Rizetto constatou que a comunicação e a política de vendas precisavam mudar. Agora, o consumidor final – 80% são mulheres – é chamado de “cliente premium”, que pode comprar produtos com descontos, mas inferiores aos oferecidos ao revendedor. As compras feitas pelo consumidor no site da empresa são atreladas, por geolocalização, a um revendedor, que poderá, assim, receber um percentual sobre a operação.

 

O modelo de negócio da Herbalife foi alvo de investigação da Federal Trade Commission (FTC) nos Estados Unidos, após acusações do investidor ativista americano Bill Ackman de que tratava-se de um “esquema de pirâmide”. Em 2016, a companhia fechou um acordo de US$ 200 milhões com a FTC e as investigações foram encerradas. O compromisso envolveu ajustes na operação, como a compensação dos revendedores com base nas vendas aos consumidores, e não na captação de novos revendedores. Também fez parte do acordo o fornecimento de recibos das transações. A companhia, também em 2016, dizia que era importante informar ao mercado quantos de seus clientes eram consumidores finais e quantos eram revendedores. No Brasil, a empresa diz que “não enfrenta questionamentos nesse sentido, pois o mercado já vê a clara diferença entre uma empresa consolidada e esquemas ilegais”.

 

Rizetto observa que a Herbalife também se deparou com novos concorrentes, além das empresas tradicionais de vendas diretas de suplementos como a Nutrilatina. A companhia também disputa o mercado com Amway, Hinode, Jeunesse e Omnilife. E até com o Uber. O brasileiro que busca uma atividade para complementar sua renda – o principal chamariz usado por essas empresas para atrair revendedores – tem um leque maior de opções. A Herbalife tem 83,6% do mercado de suplementos nutricionais, principalmente os usados em tratamentos para emagrecer, segundo a empresa de pesquisas Euromonitor. Mas nos últimos dez anos, esse mercado encolheu – de R$ 1,4 bilhão em 2008 para R$ 900 milhões no ano passado. O consumidor, que nos últimos anos passou por uma recessão profunda e vive ainda em ambiente de economia fraca, impôs mais um desafio à Herbalife. “Culturalmente, o brasileiro prefere uma alimentação mais natural”, diz Rizetto.

 

Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas, o segmento de suplementos nutricionais representa 4,6%% do setor de vendas diretas no país. No mundo, essa fatia é bem maior, de 33,2%%. Diante disso, a Herbalife vem mudando a comunicação, tirando a ênfase do emagrecimento de seu “shake” e oferecendo o produto ao consumidor que quer uma “vida mais saudável e feliz”. O controle do peso ainda faz parte da comunicação, mas a busca do bem-estar é reforçada. A companhia também está de olho no público mais maduro, acima de 60 anos. O “shake” responde por uma fatia importante das vendas da companhia, entre 35% e 40%. O restante do portfólio é de sopas, concentrados em pó para bebidas, suplementos para atletas, vitaminas e barrinhas.

 

Marcelo Pinheiro, sócio-fundador da consultoria DirectBiz, diz que até 2016 a Herbalife teve parte da expansão no país sustentada por lojas chamadas de Espaço Vida Saudável. Não são lojas próprias da companhia. São operadas por consultores que vendem chá, “shake” e preparo de bebida à base de chá preto e guaraná. Mas a crise econômica “fez com que boa parte desses espaços fechasse”, disse Pinheiro. Segundo a Herbalife, há 9,7 mil unidades desse tipo no país e 90 mil no mundo. Foram rebatizadas de Espaços Herbalife Nutrition. Na visão do consultor, a Herbalife precisa dar mais peso ao canal de vendas on-line e o número de produtos com proteínas poderia ser ampliado. O portfólio mudou neste ano. Produtos de beleza, que haviam perdido espaço na companhia, pois não mostravam nenhum diferencial em relação à concorrência, voltaram em maio. “É mais fácil para o consultor começar uma conversa com o consumidor falando de produtos de beleza”, diz Rizetto, do que oferecendo um produto para emagrecer. Como os revendedores estavam pedindo os produtos de beleza, Rizetto foi buscar um parceiro.

 

A linha Herbalife Skin é produzida no Brasil pela Biophere, uma empresa instalada em Atibaia (SP), seguindo o modelo de encomendar a fabricação de alguns produtos a parceiros locais. Outro produto cuja fabricação é terceirizada é o “shake” para controle de peso sabor artificial de café cremoso – uma edição para esta temporada de inverno – feito pela Liotécnica Tecnologia de Alimentos, em Embu das Artes (SP). Com essa estratégia, a Herbalife pretende enfrentar o atual período de vacas magras até a economia se recuperar.

Fonte: Jornal Valor Econômico

1 comentário
  1. Pamela diz

    Olá . Me chamo Pamela
    Sou Consultora Herbalife caso alguém precise de uma.Ageadeco

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar