Notícias do setor farmacêutico

Bebês de 6 meses serão vacinados contra sarampo

415

A Prefeitura de SP ampliou o público-alvo da vacinação contra o sarampo. Bebês entre 6 meses e um ano de idade foram incluídos. Campanha com foco nos jovens de 15 a 29 anos está em andamento e vai até 16 de agosto.

 

Para evitar uma epidemia de sarampo na capital paulista, a Prefeitura de São Paulo anunciou ontem a ampliação do público-alvo da campanha de vacinação contra a doença para crianças entre 6 meses e 1 ano de idade. Uma campanha com foco nos jovens de 15 a 29 anos já está em andamento e vai até 16 de agosto.

 

Desde 10 de junho, o Município de São Paulo aplicou 725.774 doses da vacina tríplice viral, sendo 670.294 doses na população de 15 a 29 anos, o que representa 23% da população dessa faixa etária. Ela foi escolhida como foco da campanha por sua maior mobilidade.

 

“Só que detectamos que, nos últimos dias, começaram a aparecer casos em crianças menores e expandimos a vacinação para os lactentes”, explica a coordenadora de Vigilância em Saúde do Município, Solange Maria de Sabóia e Silva. Segundo ela, uma força-tarefa está sendo realizada em todas as regiões. “Deslocamos profissionais para ações de bloqueio e temos mais de 10 mil profissionais envolvidos na vacinação extramuros, mas precisamos de colaboração da população. Se as pessoas não se vacinarem, a gente pode chegar à epidemia.”

 

Segundo a Prefeitura, a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, só não deve ser aplicada nas crianças de 6 meses a 1 ano que já tiverem recebido a imunização em uma das mais de mil ações de bloqueio promovidas.

Conforme a secretaria municipal, a dose administrada na campanha ou no bloqueio não substitui a vacina prevista no calendário nacional de vacinação, que estabelece que a imunização contra o sarampo deve acontecer em duas etapas. A dose da tríplice viral é aplicada aos 12 meses de idade e a tetra viral, que inclui varicela/catapora, precisa ser administrada aos 15 meses de idade. A vacinação de rotina deverá ser mantida com intervalo mínimo de 30 dias.

 

O contágio ocorre por meio de secreções respiratórias. A pessoa pode transmitir a doença até seis dias antes de iniciar o exantema (as manchas pelo corpo que caracterizam a doença) ou até 4 dias depois.

 

Segundo o balanço mais recente do Ministério da Saúde, o Estado de São Paulo lidera o ranking de casos de sarampo no País. Dos 561 relatos, 484 são de São Paulo. Na capital paulista, há 363 notificações confirmadas desde o começo do ano.

 

A vacina contra sarampo é distribuída gratuitamente em postos e tem sido realizada ainda vacinação nas estações de metrô da capital. Também é prevista imunização nas escolas estaduais, a partir da próxima semana, na volta às aulas.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Você pode gostar também

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.