Notícias do setor farmacêutico

É preciso rever estratégias para conter avanço do sarampo

227

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) o certificado de erradicação do sarampo. Faz apenas três anos, mas parece bem mais. A julgar pelos números do Ministério da Saúde, o avanço da doença é uma realidade, tornando-se preocupação extra para autoridades de saúde dos três níveis de governo, já às voltas com recorrentes epidemias de dengue, zika e chicungunha que sobrecarregam unidades de saúde.

Até 17 de julho, haviam sido confirmados 426 casos — outros 810 estavam sob investigação — em sete estados. Por enquanto, o que mais preocupa é São Paulo, com 350, ou 82% do total. Desde 7 de junho, as notificações dispararam 850% no estado. Na lista do ministério, chamam atenção ainda Pará (53 casos), Rio de Janeiro (11), Amazonas (4), Minas Gerais (4), Santa Catarina (3) e Roraima (1).

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

O certificado da Opas começou a ser rasgado ainda em 2018, quando o vírus reapareceu com força no Brasil. A reentrada aconteceu a partir da Venezuela, convulsionada por grave crise econômica, social e política — a saúde não escapou à debacle do governo Maduro. Os primeiros surtos foram registrados em Roraima e Amazonas, e não demorou para que a doença avançasse.

Este não é um fenômeno que atormenta apenas o Brasil. Estados Unidos e países da Europa também enfrentam surtos de sarampo. Mas não há outra forma de conter o avanço da doença, que se propaga rapidamente, a não ser a vacinação.

Porém, este é outro problema, e não diz respeito somente ao sarampo. Nos últimos anos, os índices de vacinação no Brasil têm sido baixíssimos. São Paulo, por exemplo, que fez um Dia D contra o sarampo voltado a jovens de 15 a 29 anos, conseguiu imunizar apenas 6% do público-alvo.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/07/08/os-sintomas-do-sarampo-doenca-que-pode-matar-e-voltou-a-assustar-no-brasil/

Não importa se esse comportamento avesso a doses que salvam vidas decorre de campanhas antivacina ou divulgação de fake news nas redes sociais — por exemplo, dando conta de que elas são ineficazes ou podem até matar. A verdade é que a doença só será contida quando a população estiver protegida — especialistas recomendam índice de vacinação de 95%. E, para isso, não adianta disponibilizar doses nos postos e esperar que as pessoas compareçam. A realidade mostra que não funciona.

É preciso buscar formas mais eficientes de vacinar a população. Algumas já estão sendo postas em prática, como levar as doses a estações de trens e metrô ou a escolas. O governo federal estuda pedir, a partir do ano que vem, a carteira de vacinação no ato da matrícula, o que pode contribuir para melhorar os índices. O importante é criar estratégias adequadas ao momento atual. As que foram adotadas até agora parecem estar com o prazo de validade vencido.

Fonte: O Globo

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })