Notícias do setor farmacêutico

Colesterol – Dia 8 de agosto marca início das campanhas de conscientização

855

Colesterol

Essencial ao corpo humano, mas não em excesso, o colesterol alto pode causar doenças cardiovasculares sérias. Hábitos saudáveis ajudam na prevenção.

O Colesterol é essencial ao organismo por desempenhar funções vitais, ser matéria-prima na produção de hormônios, do ácido biliar que regula a digestão e da vitamina D, além de fazer parte da construção de membranas celulares. Mas, em excesso, pode ser prejudicial e quase metade da população brasileira passa por esse problema, ou seja, quatro a cada dez adultos estão com o nível do colesterol alto.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/06/12/voce-sabia-que-o-estresse-cronico-prejudica-a-visao/

E esse aumento do colesterol pode causar doenças cardíacas sérias. Por isso, em janeiro, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) publicou uma nova versão das Diretrizes de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose que reúne as recomendações sobre colesterol e triglicérides. A mudança foi iniciada pelos Estados Unidos e Europa e prevê que pessoas com risco cardíaco muito alto devem manter o LDL abaixo de 50 miligramas por decilitro (mg/dl) de sangue. Antes a recomendação era de 70 miligramas por decilitro.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) as Doenças Cardiovasculares (DCV) representaram mais de 30% dos óbitos e em países em desenvolvimento, como o Brasil, contabilizam mais de três quartos das causas de morte. O aumento no índice de colesterol é mais comum nas mulheres (25,9%) do nos homens (18,8%), de acordo com a Pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel).

Mesmo com um cenário que requer atenção, ainda há quem não procure ajuda médica. Um estudo da SBC aponta que 11% das pessoas nunca fizeram exame de colesterol, enquanto 70% realizam apenas após os 45 anos. “Os exames laboratoriais são importantes para este acompanhamento bem como exames cardiológicos específicos para a condição/doença da pessoa. A Tomografia Computadorizada das artérias coronárias é capaz de identificar alguma obstrução arterial destes vasos que pode ser decorrente de um controle inadequado dos níveis de colesterol pelo paciente”, afirma o responsável técnico do Anchieta Diagnósticos, Dr. Anderson Benine Belezia.

Fazer visitas regulares a um especialista médico e utilizar a medicação recomendada e de forma correta ajudam não apenas a prevenir as DCVs, mas proporcionam melhor qualidade de vida. E isso é fundamental, sendo lembrado neste dia 8 de agosto, Dia Nacional de Combate ao Colesterol, quando se iniciam as campanhas de conscientização, como explica o cardiologista da CardioAnchieta, Dr. Bruno Jardim.

Qual é a relação do Colesterol alto com doenças cardiológicas?

O colesterol é uma substância lipídica normal que o nosso organismo produz e que é essencial para várias funções vitais do mesmo. Quando se encontra elevado torna-se potencialmente perigoso e aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

Como prevenir as doenças cardiológicas?

A prevenção de doenças cardiovasculares engloba bons hábitos alimentares associado a exercícios físicos regulares

Qual a diferença entre os tipos de colesterol?

Lipoproteína de baixa densidade (LDL) é conhecido como “mau” colesterol ou colesterol ldl (C-LDL). Já o Lipoproteína de alta densidade (HDL) é tido como colesterol “bom” ou colesterol hdl (C-HDL). O primeiro age retirando o colesterol ruim da circulação. Com o passar do tempo, este último se fixa nas paredes das artérias, o que pode resultar em uma obstrução pela formação de uma placa de ateroma.

A cada dez brasileiros, quatro estão com o nível de colesterol alto. A que se deve isso? Alimentação?

Os hábitos de vida, como alimentação não adequada, rica em gorduras e carboidratos, juntamente ao sedentarismo, na grande maioria das vezes, estão associados a esse aumento. Porém, uma pequena parcela também possui o fator genético como resultado.

Colesterol alto pode ser genético?

Sim, existem alterações do colesterol que podem ser de característica familiar, é chamada de Dislipidemia familiar quando vários membros da mesma família podem ser acometidos.

Como reduzir o colesterol ruim? Algum alimento ajuda nesse processo?

Para alcançar níveis adequados de HDL, o colesterol bom, a recomendação é manter hábitos saudáveis, dieta rica em nutrientes, controlar o peso e praticar atividade física. Isso deve ser parte da rotina. Como os triglicerídeos podem diminuir a produção do colesterol bom, é preciso controlar também esses índices e isso é possível evitando a ingestão excessiva de açúcares, carboidratos e bebidas alcoólicas. Já para diminuir os níveis do LDL, uma dieta saudável não é o bastante, nem o baixo consumo de gorduras saturadas e trans, responsáveis apenas por 15% na redução desse colesterol ruim. No caso de paciente com fatores de risco associados e colesterol elevado, as mudanças de hábitos não são suficientes, sendo necessária a prescrição de medicamentos específicos para controle do colesterol.

Qual a importância do Dia Nacional de Combate ao Colesterol?

É muito importante para a conscientização da população, acima de tudo para um alerta, sobre o fator de risco para doenças cardiovasculares. Além disso, um fator de risco, na maioria das vezes modificável, é a atuação precoce que previne várias doenças, bem como ajuda a obter uma melhor qualidade de vida.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Amazonas Notícias

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })