Notícias do setor farmacêutico

Pigmento fluorescente ajuda médicos acompanhar colesterol no sangue

287

Uma nova técnica que mostra a obstrução de artérias em peixes-zebra possibilitou a médicos da Carnegie Institution, integrante da John Hopkins University, e da Mayo Clinic, observar como o colesterol ruim de acumula nas artérias.

Publicado no periódico Nature Communications, o estudo mostra como funciona o LipoGlow, um sistema que utiliza engenharia genética para iluminar as moléculas de gordura que se acumulam nas artérias e que oferecem risco potencial para um ataque cardíaco.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

O sistema daria um vislumbre sobre como as doenças cardíacas se desenvolvem, possibilitando o estudo de novos remédios e novas formas de tratar o problema.

Como o estudo foi feito

  • O colesterol ruim é formado por uma cadeia complexa de lipoproteínas. Uma delas é conhecida como Apolipoproteína-B, ou simplesmente ApoB;
  • Essas moléculas viajam pela corrente sanguínea e podem se acumular nos vasos sanguíneos, criando depósitos –chamados placas — que endurecem as artérias e tornam difícil para o coração bombear o sangue;
  • A ApoB tem uma cadeia muito complexa, o que dificultava a análise utilizando as técnicas comuns de análise celular e molecular;
  • Os cientistas então utilizaram engenharia genética para ligar um pigmento fluorescente, semelhante ao que está presente nos vagalumes, à molécula Apo-B, possibilitando acompanhar seu caminho pelos vasos sanguíneos;
  • Eles testaram a teoria em peixes-zebra, que, após alguns testes, mostraram semelhanças importantes com o sistema vascular humano.

Por que isso é importante?

As moléculas de gordura, especialmente as que compõem o colesterol ruim, estão diretamente ligadas às doenças cardiovasculares e aos ataques cardíacos. Aprender mais sobre elas e como elas formam as placas nas artérias, portanto, é essencial para desenvolver novas formas de combater esse problema.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/05/02/cientistas-australianos-encontram-antidoto-para-veneno-de-vespas-do-mar/

O LipoGlow ainda permitiu aos médicos detectar um gene misterioso chamado de pla2g12b, que tem influência no tamanho e no número de lipoproteínas presentes no complexo ApoB. Ainda não está claro como esse gene funciona, mas os cientistas acreditam que mais estudos podem orientar sobre como controlar a quantidade de lipoproteínas na corrente sanguínea.

Fonte: UOL

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })