Notícias do setor farmacêutico

Produtos de baixo valor agregado são trunfo para varejo nacional ficar de pé

432

Varejo

Com ritmo de crescimento aquém do esperado para 2019, o varejo se sustenta por meio do consumo de itens de necessidade básica de menor valor agregado. Entre os segmentos que aproveitam esse movimento, estão as redes de supermercado e drogarias.

“O crescimento de 0,1% em junho em relação a maio mostra que o semestre foi muito difícil para o varejo. A alta expectativa que se criou no final do ano passado vem caindo gradualmente e os itens de necessidade básica, que não são substituíveis tão facilmente, costumam ter mais resistência a crise”, afirmou o coordenador da Sondagem do Comércio do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Rodolpho Tobler.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/07/29/grandes-redes-de-farmacias-associam-modernizacao-de-servicos-e-atendimento-personalizado/

De acordo com o especialista, mesmo que as taxas de desocupação caiam lentamente, os 12,8 milhões de desempregados ainda ilustram uma tendência para o consumo em segmentos de necessidade básica, como por exemplo alimentos e remédios. “Nos próximos meses, a tendência é que esses setores passem a investir mais em contratação e expansão das operações até por conta da redução das incertezas sobre o campo político e das reformas em andamento no Congresso”, argumentou Tobler.

Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE e divulgada ontem, em junho de 2019 ante o mesmo período do ano passado, o setor do varejo registrou queda de 0,3%. No acumulado do ano, o avanço foi de 0,6%.

No levantamento, o segmento de supermercados e hipermercados foi um dos poucos que ficou no “azul”, registrando estabilidade entre junho e maio; no acumulado do ano, houve alta de 0,7%. Já o mercado de farmácias se mostra mais resiliente, com alta de 0,3% na margem; e 5% de evolução nas vendas entre junho e igual período de 2018.

Um dos exemplos de redes de farmácias que apresentou ritmo de expansão no número de unidades durante o período de recessão e mantém posicionamento é a RaiaDrogasil – que terminou o segundo trimestre de 2019 com 1,9 mil operações no Brasil. “Podemos colocar como destaque o ritmo de crescimento e amadurecimento de nossas unidades nos últimos anos. Além disso, é importante ressaltar a estratégia que adotamos na política de preços dos genéricos”, afirmou o diretor de planejamento do grupo, Eugênio de Zagottis, em teleconferência realizada ontem (07) ao mercado.

De acordo com o executivo, a estratégia está voltada para a composição de um mix de produtos genéricos que tem o potencial de atingir a liderança nas vendas em algum momento – sobretudo em estados brasileiros, onde a rede está ampliando a atuação. “Sempre buscaremos a criação de valor no longo prazo, sobretudo diante da dificuldade de expansão regional nesses mercados”, afirmou ele. Segundo o balanço da companhia, houve salto de 5,8% para 7,9% em termos de marketshare na Região Nordeste. Já no Norte do País, a fatia de mercado da RaiaDrogasil saiu de 0,4%, no segundo trimestre de 2018, para 3% no mesmo período deste ano, com destaque para o estado do Pará, onde existem 28 lojas.

Na mesma base de comparação, o volume de vendas de genéricos cresceu 18% no negócio, com ganho de margem de 0,2 ponto percentual no total comercializado. “Essa categoria deve ser uma das principais nos próximos semestre.”

Varejo alimentar

Na mesma linha de raciocínio, o sócio-fundador da consultoria empresarial ba}Stockler, Luis Henrique Stockler, o varejo alimentar tem lançado mão da categoria de marcas próprias para sobreviver em tempos de crise. “A marca própria, de modo geral, permite vender a menor preço com manutenção de margem, no entanto a marca do mercado tem de ter credibilidade, sendo um produto bom e honesto, para impor sua marca no produto”, explicou, destacando que categorias como limpeza e itens de cesta básica são alguns exemplos de mercadoria com aderência a esse modelo.

Além disso, o movimento em direção às marcas próprias nos supermercados é algo que vem se fortalecendo nos últimos anos, e deve ser encarado de forma planejada. “Já vem aumentando há muito tempo, mas isso também não acontece da noite para o dia. Não dá para colocar a marca do mercado em produto não confiável e também não é nada fácil arranjar bons e confiáveis fornecedores, tanto no produto como na entrega e no serviço”, complementou o especialista.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: DCI

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })