Notícias do setor farmacêutico

Vendas das farmácias crescem 11%

614

As vendas das farmácias em agosto cresceram 11%, em termos nominais, em relação a igual mês de 2018, segundo estimativa da Abrafarma, que reúne dados de 25 redes. No acumulado dos primeiros oito meses, o aumento projetado é de 10,26%. No primeiro semestre, a alta foi menor, de cerca de 9%; e no ano passado, 7,5%, o que sinaliza a aceleração do setor. “Percebemos um aumento de consumo que reflete uma melhora na demanda nos últimos meses.

 

Estamos considerando uma alta acima dos 10% no ano”, disse Sergio Mena Barreto, presidente da Abrafarma. Os preços dos medicamentos subiram, o que ajuda a explicar o aumento na receita, mas o reajuste foi de um dígito (4,3% em abril). Assim, a expansão recente reflete aumento no consumo, diz. As redes associadas à entidade respondem por 44% das vendas do setor. As farmácias independentes, que não fazem parte de uma rede, 26%. Franquias e outras redes, 30%. Ao levar em conta todo o mercado, as vendas crescem, até julho, 9,5%, segundo a consultoria IQVIA.

 

As farmácias independentes, de menor porte, mostram expansão mais discreta, de 2,4% neste ano, até julho. Quando se considera cidades de 400 mil a 500 mil habitantes, onde as redes regionais têm peso maior, o aumento foi de 7,8% no primeiro semestre. O setor como um todo movimentou, em vendas ao clientes, R$ 116 bilhões em 12 meses, até junho. Sobre aberturas e fechamentos de lojas, ponto que tem sido foco de preocupação no setor desde o fim de 2017, quando o mercado perdeu velocidade de crescimento, os números da consultoria mostram que foram abertas 12,7 mil farmácias nos últimos dois anos e 7,1 mil foram fechadas de maio a julho, a maior parte por lojas independentes. Mas grandes redes também estão fechando lojas.

 

Extrafarma, do grupo Ultra, e Pague Menos são dois exemplos. As duas redes falam em “depuração” e “ajustes”, em reação ao ritmo acelerado de inaugurações em plena crise econômica. As duas empresas crescem menos que o mercado e estão reduzindo portfólio. “Para algumas grandes cadeias, diminuiu a tolerância com a loja que ‘performa’ mal”, diz o diretor de uma rede com lojas no Rio de Janeiro. Para especialistas, faltam pontos em locais distantes das metrópoles. O Brasil tem mais farmácias do que os Estados Unidos – 78 mil contra 67 mil. Há uma farmácia para cada 2,66 mil brasileiros.

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda uma para cada 8 mil habitantes. A Extrafarma, com 433 pontos, abriu 15 lojas fechou outras 15 no primeiro semestre deste ano. No semestre, a receita bruta, de R$ 1,1 bilhão, não cresceu. Em nota ao Valor, a companhia informou que 2019 é um ano de transição, focado em “ajuste estratégico” e que está fazendo uma “expansão mais seletiva”. No terceiro trimestre, continuará a fechar lojas. A empresa diz que conclui neste ano a implantação de um novo sistema de tecnologia para os pontos de venda. Maior varejista do setor no Nordeste, a Pague Menos, com 1,1 mil unidades, fez 19 aberturas e 20 fechamentos de janeiro a junho. Foi o primeiro semestre com saldo negativo de lojas em, pelo menos, quatro anos, apurou o Valor. As vendas subiram 3,2% no primeiro semestre, ritmo abaixo do mercado. No intervalo, teve prejuízo de R$ 52,5 milhões, versus lucro de R$ 6,2 milhões um ano antes. Em um ano, até junho, a rede perdeu pouco mais de 500 mil clientes, segundo dados trimestrais publicados pela cadeia.

 

O caixa também diminuiu – caiu de R$ 311 milhões em junho de 2018 para menos de R$ 45 milhões 12 meses depois. Há pelo menos um ano, a empresa tem mencionado o aumento de concorrência para explicar a desaceleração e, em 2018, dizia que abria lojas como “defesa”. Especialistas dizem que a empresa fez inaugurações em locais que não deram retorno e foi obrigada a puxar o freio. “A Raia Drogasil tem entrado pesadamente nos Estados nordestinos. Quando se esperava que a Pague Menos cresceria com a quebra da BR Pharma [forte na Bahia], foi a Drogasil que ocupou os terrenos”, diz um varejista do Sul. Em nota ao Valor, o vice-presidente financeiro da Pague Menos, Luiz Renato Novais, afirma que a rede abriu mais de 400 unidades nos últimos três anos e “alguns fechamentos são naturais num processo de expansão tão rigoroso”. Afirmou que o Nordeste tem sido afetado pelo desemprego e queda no consumo, e que a companhia tem feito ajustes para elevar produtividade. Também observou que as despesas têm crescido menos que a receita no ano, levando a um ganho no lucro operacional.

Fonte: Valor Econômico

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })