Notícias do setor farmacêutico

Casal perde guarda de filho por recusar quimioterapia

173

Um garoto de quatro anos de idade que sofre de câncer vai morar com a avó depois que seus pais o impediram de fazer quimioterapia . O menino vive na Flórida, nos Estados Unidos .

A decisão judicial tomada na segunda-feira contra os pais, Taylor Bland e Joshua McAdams, ocorreu depois que sua tentativa de tratamento alternativo chamou atenção nacional.

O garoto foi retirado dos pais depois que eles pararam de levá-lo à quimioterapia e se mudaram do estado.

Siga nosso instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

Os pais estão “obviamente arrasados”, disse a advogada do casal à imprensa americana.

“N. está passando por uma experiência médica absolutamente traumática e está fazendo isso sem os pais”, disse a advogada Brooke Elvington.

Depois que o garoto, cujo nome a BBC vai omitir, foi diagnosticado com leucemia linfoblástica aguda em abril, seus pais optaram por tratá-lo com maconha, oxigenoterapia, ervas e água alcalina.

A cannabis medicinal é legal na Flórida.

Em maio, eles perderam a custódia após terem faltado a uma sessão de quimioterapia e “se recusarem a dar seguimento a cuidados médicos que salvam vidas”, segundo a polícia.

Busca policial

Eles foram encontrados em Kentucky após uma caçada em vários estados. O menino recebeu ordem de morar com a avó e receber tratamento médico padrão.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/09/09/contra-depressao-e-fobias-psiquiatras-apostam-em-choques-e-realidade-virtual/

Na segunda-feira, o juiz Thomas Palermo, do tribunal do Condado de Hillsborough, disse que a criança enfrentaria “risco substancial de negligência iminente” se fosse devolvida aos pais.

Manter o menino sob a custódia de sua avó materna “é a única maneira de garantir a saúde, a segurança e o bem-estar”, disse ele, segundo a NBC News.

A quimioterapia é frequentemente associada a efeitos colaterais debilitantes, mas muitos tipos de quimioterapia moderna causam apenas problemas leves.

De acordo com o Hospital de Pesquisa Infantil de St. Jude, cerca de 98% das crianças com leucemia linfoblástica aguda entram em remissão poucas semanas após o início do tratamento, e cerca de 90% das crianças são curadas.

A advogada de Bland e McAdams disse que o casal está considerando entrar com um recurso.

“[Ele] tem que estar na casa dos pais”, disse ela.

Fonte: O Globo

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })