Notícias do setor farmacêutico

Medicamento em parceria com USP sustenta internacionalização da Biolab

3.856
Medicamento em parceria com USP sustenta internacionalização da Biolab
Cleiton de Castro Marques, CEO da Biolab

Entre os principais laboratórios farmacêuticos do Brasil, a Biolab é a mais jovem, com apenas 22 anos, e se pauta na inovação para acelerar seu processo de internacionalização. A estratégia para alcançar esse objetivo passa pelo principal medicamento da companhia, o antiemético Vonau Flash (ondansetrona), indicado para vômitos e náuseas. Desenvolvido pela Universidade de São Paulo (USP), com apoio financeiro da Biolab, o medicamento é um caso de sucesso.

“Trata-se da maior inovação incremental feita por uma empresa farmacêutica no Brasil em parceria com uma universidade”, afirma o CEO Cleiton de Castro Marques. Hoje, o medicamento representa 90% de todos os royalties destinados à USP. Somente neste ano, a universidade receberá mais de R$ 4 milhões da Biolab. O objetivo da companhia é lançar o Vonau Flash no Peru, Equador e Colômbia. “O remédio já está em registro no México, América Central, Arábia Saudita e países árabes. Sua formulação também está sendo adequada em nosso laboratório no Canadá, com foco no mercado norte-americano e europeu”, antecipa Marques.

O antiemético detém mais de 50% do mercado de náusea no país e tem como diferencial a capacidade de dissolução oral entre 15 e 20 segundos, com efeito rápido no organismo. Os estudos iniciaram-se em 2004 e a patente foi concedida em 13 de março de 2018. Em agosto deste ano, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) reconheceu a inovação do medicamento e manteve a patente com a Biolab e com a USP.

Outro medicamento que também contribui para a expectativa de internacionalização é o antifúngico Zilt (dapaconazol). Trata-se do primeiro produto de inovação radical desenvolvido por uma farmacêutica da América Latina, com previsão de chegada ao mercado no segundo semestre do próximo ano. A fórmula farmacêutica foi 100% desenvolvida pela Biolab, fruto de oito anos de trabalho, e tem patente requerida nos principais mercados internacionais.

Para o CEO da Biolab, os maiores entraves para a inovação no Brasil ainda são os aspectos regulatórios, que precisam ser mais dinâmicos, assim como é preciso maior agilidade do INPI e dos órgãos de análise patentária. “Não dá para esperar entre 12 e 15 anos para ter uma patente analisada”, ressalta. Outro ponto é o pleito que as indústrias estão fazendo junto à Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) para que as empresas possam ser remuneradas pela inovação.

A Biolab lançou 40 produtos neste ano, entre genéricos e marcas. A farmacêutica destinou ainda R$ 450 milhões para a construção de um complexo industrial em Pouso Alegre (MG), que entrará em operação parcial em 2020 e completa no fim de 2022. A expectativa é gerar cerca de 800 empregos diretos.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/09/16/grande-rede-farmaceutica-fecha-acordo-com-empresa-de-cannabis-para-fornecer-medicamentos/

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })