Notícias do setor farmacêutico

Parlamento do Equador regula produção de maconha para uso medicinal

452

Quito – O Parlamento do Equador aprovou nesta terça-feira, 17, uma série de reformas para permitir a regulamentação da produção de maconha para uso terapêutico no país. A reforma legaliza o uso de cannabis para fins medicinais.

LEIA TAMBÉM >Empresas já miram compra de canabidiol

O projeto contou com o apoio de 83 parlamentares, de um total de 137. Com a aprovação, o Congresso decidiu permitir a produção, comercialização, distribuição, uso e consumo da maconha para fins medicinais.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

A nova legislação foi aprovada para tornar mais claro o entendimento do tema na legislação do país. Enquanto o código penal equatoriano, aprovado em 2014, não permite o uso de cannabis para esses fins, uma lei em vigência desde 2015 já autorizava a produção e uso de medicamentos e produtos a base de maconha para uso medicinal ou para pesquisas médicas e científicas.

Por outro lado, o próprio código penal do país previa pena de um a três anos de prisão para a pessoa que plantar ou colher qualquer tipo de planta para a produção de narcóticos com fins de comercialização.

Com as novas reformas penais, a autoridade agrária equatoriana é quem deverá regulamentar a produção de cannabis para uso medicinal, enquanto o ministério da saúde ficará encarregado de regulamentar, controlar e vigiar a importação, produção, comercialização, distribuição e uso de medicamentos derivados da maconha.

Maconha no Brasil

O debate sobre a legalização da maconha para uso medicinal também está em curso no Brasil. Em seu último mês como procuradora-geral da República, Raquel Dodge enviou parecer ao Supremo Tribunal Federal indicando que houve ‘omissão inconstitucional’ do Poder Público na implementação das condições necessárias ao acesso adequado dos brasileiros à utilização medicinal da Cannabis. Dodge ainda pediu que a União e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) regulamentem o plantio de maconha com finalidade medicinal.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/09/16/aplicativo-agenda-retirada-de-medicamentos-de-alto-custo-em-sp/

O uso de canabidiol (óleo extraído da maconha) também foi alvo de polêmica recente envolvendo o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). No começo de setembro, o deputado passou a apoiar um projeto que tornaria automática a liberação de medicamentos no Brasil já aprovados por autoridades sanitárias estrangeiras, como a americana, o que autorizaria o uso do canabidiol no País. A proposta contraria a posição do governo em relação à maconha medicinal, mas conta com apoio mesmo na base do governo, como General Peternelli, Carla Zambelli – ambos deputados federais pelo PSL -, e o general Eduardo Villas Bôas,ex-comandante do Exército e atual assessor do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do Palácio do Planalto. / (Com informações da AFP)

Fonte: O estado de S. Paulo

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.