Notícias do setor farmacêutico

CFF destaca o papel do farmacêutico na vacinação em congresso da FIP

741

A assessora da presidência do Conselho Federal de Farmácia (CFF), Josélia Frade, apresentou, nesta quarta-feira (25.09), a palestra “Vacinação – problema de todos. Farmacêuticos podem fazer parte da solução?” em um dos simpósios do Congresso Mundial de Farmácia e Ciências Farmacêuticas da Federação Farmacêutica Internacional (FIP), que está sendo realizado de 22 a 26 de setembro, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

A apresentação de Josélia Frade mostrou o cenário dos serviços de vacinação no Brasil, as estratégias adotadas pelo CFF, em parceria com diversas instituições, para que o farmacêutico se tornasse vacinador no País, e detalhou exemplos de experiências na implantação desse serviço em farmácias e clínicas. A farmacêutica também abordou o modo como tem sido os processos de formação e a comunicação com a sociedade. “Acredito que tenha conseguido mostrar que os farmacêuticos brasileiros têm sido parte da solução nessa questão da cobertura vacinal”, diz a assessora do CFF.

Por meio de levantamento realizado sobre os serviços pioneiros no país, identificou-se a existência de, pelo menos, 12 clínicas de vacinação de propriedade de farmacêuticos e a implantação do serviço em 90 farmácias. Dentre os dados identificados, observou-se que, no primeiro trimestre de 2019, as redes de farmácias que integram a Associação Brasileira das Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) administraram 18.218 doses (200 doses/dia) e, como ferramenta, tem utilizado o software Clinicar para registro dos atendimentos.

As principais vacinas administradas  foram Influenza (57.75%) e a Meningococica B (24.04%). Os registros do Clinicar apontam, ainda, que os farmacêuticos só não vacinaram 290 pessoas, por identificaram, durante a anmenese, que eles apresentavam alguma contraindicação. “Acredito que somente tivemos essa experiência para compartilhar porque, nos últimos anos, a profissão teve uma liderança forte e estratégias priorizadas bem definidas, em sinergia com outras entidades. Aproveito para agradecer a todos os colegas e entidades que forneceram dados para serem apresentados durante essa atividade e às pessoas que compartilharam”, finalizou Josélia.

Farmacêuticos na vacinação

Como o movimento contra a imunização é grande no Brasil e no mundo, as pessoas podem contar com farmacêuticos e farmácias como forças para se engajarem em campanhas educacionais em saúde, a fim de provar que os mitos estão errados e esclarecer a população sobre doenças evitáveis pela vacinação.

Dados do Ministério da Saúde do Brasil mostram que as taxas de cobertura vacinal diminuíram drasticamente entre adultos e idosos, o que evidencia, mais uma vez, a importância da atuação dos farmacêuticos e das farmácias na luta para educar as pessoas sobre a importância da imunização e participar desse processo, principalmente junto a essas faixas etárias.

No Brasil, os farmacêuticos têm, há muitos anos, o direito legal e competência técnica para aplicar medicamentos injetáveis (anti-contraceptivos, vitaminas, anti-inflamatórios, hormônios, anti-coagulantes, insulina, etc). Essa experiência anterior foi importante no processo de expansão de atribuições de farmacêuticos, como prestação de serviçoes de imunização.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/09/25/farmaceutico-e-preso-por-vender-medicamentos-controlados-sem-receita/

A imunização realizada por farmacêuticos nas farmácias, além de consolidar a prática clínica e estabelecer farmácias como pontos de atenção à saúde, mostra a importância dos farmacêuticos nas farmácias brasileiras, públicas e privadas.

De acordo com dados levantados pelo Instituto de Defesa do Consumidor (IDEC), quando as vacinas começaram a ser oferecidas nas farmácias, houve uma redução no preço das doses fornecidas por hospitais privados e clínicas de saúde. O estudo sobre os preços das vacinas oferecidas no setor privado e apontou que os pacientes podem encontrar vacinas mais baratas nas farmácias. O estudo está disponível no site do Idec.

Fonte: CFF

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.
document.querySelectorAll('.youtube a').forEach(e=>{e.href = "https://youtube.com/user/partnersupport" })