Notícias do setor farmacêutico

Menos de 6 horas de sono aumenta riscos de morte precoce, aponta estudo

Um estudo divulgado pela Universidade Estadual da Pensilvânia, no Estados Unidos, apontou que pessoas de meia idade com pressão alta ou diabetes tipo 2 que dormem menos de seis horas por dia têm mais risco de morte precoce e também de desenvolver câncer.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

Os médicos responsáveis pela pesquisa, ainda descobriram que o hábito de dormir menos que as horas necessárias aumenta em até duas vezes o risco de doença cardíaca ou derrame cerebral. O risco aumenta para três vezes entre pessoas com histórico de doença cardíaca ou derrame.

O estudo foi realizado durante mais de 10 anos, com 1.600 adultos, divididos em dois grupos. Um deles apresentava pressão alta no estágio dois ou diabetes tipo 2. O segundo tinha doença cardíaca ou havia tido um derrame. Desse total, 512 voluntários morreram, sendo que um terço deles por doença cardíaca ou derrame. Um quarto morreu de câncer.

Para o professor Julio Fernandez-Mendoza, coordenador do estudo, a curta duração do sono deve ser considerada fator de risco. “A curta duração do sono deve ser incluída como um fator de risco útil para prever os resultados a longo prazo, em pacientes com as hipertensão, diabetes tipo 2 ou que tenham sofrido de algum episódio cardiovascular”, afirma.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/08/23/nova-droga-promete-combate-inteligente-ao-cancer-de-bexiga/

O próximo passo da pesquisa será identificar se terapias que aumentem as horas de sono dos indivíduos serão capazes de diminuir o risco de óbito.

Fonte: Folha Vitória

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação