Notícias do setor farmacêutico

Arábia Saudita quer ser polo farmacêutico

845

Em seminário na Câmara Árabe, autoridades sauditas apresentaram o mercado do país para empresas brasileiras e destacaram os incentivos para a instalação de indústrias.

 

São Paulo – A Arábia Saudita quer ser um polo farmacêutico da região do Oriente Médio e Norte da África. Foi o que disse Raed Al-Swayed, vice-presidente da Saudi Pharma Industrial Clusters, órgão do Ministério da Indústria do país árabe, durante apresentação no seminário Pharma Brasil-Arábia Saudita, que ocorreu nesta terça-feira (08) na Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em São Paulo.

 

Em sua palestra, Al-Swayed mostrou os benefícios e incentivos que a Arábia Saudita oferece para as empresas farmacêuticas se instalarem no país. “As empresas brasileiras podem se instalar no país de forma autônoma ou através de joint-ventures (empreendimento em parceria com empresas sauditas ou de outros países)”, afirmou. O mercado farmacêutico saudita movimenta hoje US$ 8,2 bilhões, sendo o setor de pílulas e sólidos orais o maior, com US$ 3,5 bilhões, e o de biológicos e biosimilares o que mais cresce, com US$ 1,6 bilhão (dados de 2018).

 

Para Al-Swayed, o Brasil tem um grande potencial nos segmentos de vacinas e medicamentos genéricos. “Estamos otimistas que as empresas brasileiras irão se instalar em nosso país nos próximos anos, somos um mercado com uma população que está crescendo e envelhecendo”, informou. A Arábia Saudita tem uma população de 32,6 milhões de pessoas e, segundo ele, deve chegar a 40 milhões até 2030.

 

O executivo disse que nos próximos dias visitará o Instituto Butantan e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e afirmou ainda que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, será convidado de honra da conferência Future Investment Initiative (FII), também conhecida como “Davos no Deserto”, que ocorrerá em Riad de 29 a 31 de outubro.

 

Vice-presidente de Relações Internacionais da Câmara Árabe, o embaixador Osmar Chohfi abriu o evento. “Mais do que ser destino final de produtos brasileiros, a Arábia Saudita tem grande potencial para se tornar um polo de exportação de fármacos e funcionar como ponte para outros mercados no Oriente Médio e Norte da África”, disse Chohfi.

 

No evento, se apresentou também o diretor do departamento de avaliação de riscos e benefícios no setor de drogas da agência reguladora saudita Saudi Food and Drug Authority (SFDA), Bandar Alhammad. Ele afirmou que se um medicamento é submetido à brasileira Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) provavelmente ele também estará de acordo com as normas dos países da região do Golfo. “É quase a mesma coisa, mas para os países do GCC há uma especificação adicional, os produtos têm que ter uma certificação ‘pork free e alcohol free’ [livre de porco e de álcool]”, informou Alhammad. O item tem que ser “halal”, ou seja, sem ingredientes impróprios para o consumo de muçulmanos.

 

O diretor informou ainda que todo o processo de inscrição para o registro saudita agora é feito de forma eletrônica, online, evitando burocracias. Ele disse que a SFDA está alinhada ao projeto governamental Visão 2030, que tem por objetivo a diversificação da economia do país árabe, e está em busca de parcerias com os setores público e privado de outros países, e organizações internacionais.

 

Do Brasil, se apresentaram o diretor de assuntos biológicos da Anvisa, Bernardo Moreira, o diretor de assuntos técnicos do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), Jair Calixto, e o presidente executivo da Associação Brasileira de Indústrias de Insumos Farmacêuticos (Abiquifi), Norberto Prestes. O diretor de estratégia e promoção de investimentos da Saudi Pharma Industrial Clusters, Adalberto Netto, foi o mediador. Na foto acima, da esq. p/ dir., Prestes, Alhammad, Al-Swayed, Netto, Calixto e Moreira.

 

Prestes disse que a Abiquifi está trabalhando com a Arábia Saudita como um país aliado pelos próximos dois anos, mostrando para empresas farmacêuticas brasileiras as oportunidades de negócios no mercado saudita, fazendo workshops sobre como entrar nesse mercado e sobre questões regulatórias, realizando missões comerciais e trazendo autoridades sauditas para o Brasil. “As oportunidades tanto de exportação quanto de empresas se instalarem na Arábia Saudita são ótimas para o Brasil. Prevemos que nos próximos três anos isso deve acontecer de forma mais expressiva”, afirmou.

 

O evento foi organizado pela SFDA e pela Saudi Pharma Industrial Clusters, em parceria com a Anvisa, Abiquifi e Sindusfarma, e com apoio da Câmara Árabe. Cerca de 40 representantes de empresas brasileiras participaram do seminário. Entre elas, o Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), e as farmacêuticas AllerganBlanverBiolab Farmacêutica e Nortec Química.

Fonte: Portal ANBA

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.