Notícias do setor farmacêutico

Novo medicamento para obesidade é seguro

11 de Outubro é o Dia Mundial de Combate à Obesidade.

obesidade

Aprovada em dezembro de 2016 pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para tratamento de sobrepeso associado a doenças e obesidade, a lorcasserina está prevista para chegar no país nos próximos dias. Estudos com esse medicamento avaliaram a segurança cardiovascular e concluíram que ele é seguro para os pacientes que sofrem de obesidade e têm riscos cardiovasculares associados.

“A lorcasserina não aumenta risco de infarto ou acidente vascular cerebral (AVC). Além disso, os estudos verificaram que os pacientes não diabéticos ou pré-diabéticos tiveram menor incidência de diabetes tipo 2 com uso do medicamento. As complicações microvasculares, como retinopatia, nefropatia e neuropatia também foram reduzidas”, explica o Dr. Marcio Mancini, endocrinologista daSociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Regional São Paulo (SBEM-SP).

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/10/07/custo-elevado-dificulta-acesso-de-pacientes-a-medicamento-a-base-de-canabidiol/

A lorcasserina é um agonista, ou seja, um ativador de um receptor dos neurônios POMC, que são neurônios que produzem uma substância redutora do apetite. “Esse medicamento tem uma ação anorexigênica, de diminuir o apetite e, com isso, o paciente come menos”, comenta Dr. Mancini.

Durante os estudos para liberação do medicamento ficou estabelecido que a melhor dose para o tratamento seria um comprimido de 10 mg pela manhã e outro à noite.

A lorcasserina foi aprovada porque  pelo menos 35% dos pacientes perderam 5% do peso, e essa perda foi mais do que o dobro em relação aos pacientes que tomaram o placebo. Segundo o endocrinologista, essa nova linha terapêutica para tratamento do sobrepeso e obesidade tem poucos efeitos colaterais e baixo potencial de interação medicamentosa.

Nos estudos feitos com 12 mil pacientes seguidos por uma média de 3,3 anos, cefaleia e tontura ocorreram apenas em 1% deles. A continuação do tratamento com a lorcasserina deve ser mantida se o paciente perder pelo menos 5% do peso nas primeiras 12 semanas de tratamento.

A melhora do diabetes ocorreu logo nas primeiras semanas de tratamento mesmo quando a perda de peso ainda não havia sido significativa. “Uma hipótese é que a lorcasserina tenha um efeito melhorando a glicose no sangue dos diabéticos diminuindo a glicemia por ativação desses neurônios, levando a maior secreção de insulina”, explica o médico que é especialista em tratamento da obesidade.

A lorcasserina vai ser comercializada em caixas com 60 comprimidos, suficientes para 30 dias de tratamento.

Sobre a SBEM-SP

A SBEM-SP (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia do Estado de São Paulo) pratica a defesa da Endocrinologia, em conjunto com outras entidades médicas, e oferece aos seus associados oportunidades de aprimoramento técnico e científico. Consciente de sua responsabilidade social, a SBEM-SP presta consultoria junto à Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, no desenvolvimento de estratégias de atendimento e na padronização de procedimentos em Endocrinologia, e divulga ao público orientações básicas sobre as principais moléstias tratadas pelos endocrinologistas.

Serviço:

http://www.sbemsp.org.br

https://www.facebook.com/sbem.saopaulo/

https://www.instagram.com/sbemsp/

https://www.youtube.com/c/SBEMSP

https://twitter.com/SBEMSP

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Dois Mais Farma

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação