Notícias do setor farmacêutico

Moradores reclamam de falta de vacina para bebês na Baixada Santista

387
bebês
Vacinas foram distribuídas entre policlínicas da cidade (Foto: Divulgação/ Prefeitura de Santos)

Pais e mães seguem preocupados a respeito da vacinação de seus bebês na Baixada Santista. Santos foi um dos municípios que recebeu doses da vacina pentavalente, mas o estoque é considerado insuficiente. O Governo do Estado de São Paulo alega que aguarda as dosagens do Ministério da Saúde para atender a demanda. A previsão é de que estoques se normalizem em novembro.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/?hl=pt-br

Santos recebeu, na tarde da última terça-feira (8), 900 doses da vacina pentavalente (contra difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e doenças causadas por Haemophilus influenza tipo B). Na manhã desta quarta-feira (9), mães de outros municípios chegararam a procurar as policlínicas da cidade para conseguir imunizar as crianças.

A fisioterapeuta Elaine da Silva Gomes explica que procurou uma unidade para vacinar a filha após ter enfrentado problemas para encontrar a dose. “Ficamos preocupados dela pegar alguma coisa já que não tem a vacina”, desabafa.

A chefe de vigilância em Saúde de Santos, Ana Paula Valeiras, explica que o número de vacinas recebidas é insuficiente. “A situação ainda nos preocupa. Há um desabastecimento não só na região, mas nacional. Ainda não recebemos a vacina DTP. Recebemos apenas 40 doses da vacina BCG contra tuberculose, quando deveríamos receber 150 por mês”, esclarece.

Antes das 900 doses recebidas, a última remessa de vacinas chegou a Santos em 24 de julho, com apenas 400 doses. A média mensal para atender a demanda é de 1.200 por mês.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/09/27/especialistas-apontam-retrocesso-em-cobertura-de-vacinas-no-brasil/

Problema nacional

De acordo com o Ministério da Saúde, a previsão é de que o abastecimento da vacina se normalize a partir do mês de novembro. Segundo a pasta, o problema ocorreu por causa de um estoque de pentavalente adquirido por intermédio da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) ser reprovado em testes de qualidade feitos pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Fonte: A Tribuna

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação

Perdeu sua senha? Digite seu nome de usuário ou endereço de email. Você receberá um link para criar uma nova senha por e-mail.