Notícias do setor farmacêutico

Treinamento para distribuidores de cannabis

cannabis

O portal Tech Crunch divulgou a notícia da grande ideia de Adriana Herrera. A empresária criou o EpicHint , um serviço de treinamento e pessoal para dispensários de cannabis, enquanto estava surfando na costa de Oaxaca, no México.

O empreendedor em série já havia fundado o FashioningChange , um mecanismo de recomendação para compras sustentáveis, em 2011. A empresa estava ganhando força e tinha algum apoio inicial, mas se deparou com a serra do grupo de desenvolvimento de produtos da Amazon, que Herrera afirma ter copiado sua plataforma para criar um produto concorrente.

Veja também: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/04/29/abrafarma-realiza-evento-em-salvador/

Independente, Herrera pegou algumas das ferramentas que o FashioningChange havia desenvolvido e transformou-as em um negócio focado no marketing on-line para compradores no ponto de venda – ajudando sites como o Cooking.com a oferecer produtos para pessoas com base no que o histórico de navegação revelou sobre sua intenção .

Em 2017, esse negócio também tinha problemas, e Herrera teve que fechar a empresa. Ela vendeu suas coisas e foi para Oaxaca, mas continuou pensando na indústria emergente de cannabis que estava decolando nos EUA.

Herrera tinha um amigo que tinha sido diagnosticado com câncer de cólon e estava tomando maconha medicinal para tratar dos efeitos colaterais da operação que removeu seu cólon.

 “Ele pedia algo para dor, náusea e sono, e sempre foi recomendado o produto mais caro ou que estava sendo promovido. Ele nunca conseguiu o que precisava e teve que se auto-defender pelo produto certo enquanto mal conseguia resistir. ”

A empresária se recuperou e pesquisou ao longo de 2018. Ela entrou em contato com as farmácias primeiro como cliente, pedindo a diferentes “licitantes” para obter informações sobre o produto que estavam vendendo. Suas respostas foram … abaixo do esperado, segundo Herrera. O próximo passo foi conversar com gerentes de dispensários e pesquisar a indústria de plantas daninhas.

Segundo seus próprios cálculos, as empresas de cannabis (incluindo dispensários e produtores) adicionarão cerca de 300.000 empregos – a maioria deles começando com salários quase salariais mínimos de US$ 16 por hora. Enquanto isso, os programas de treinamento atuais custam entre US$ 250 e US$ 7.000.

Essa desconexão levou Herrera a atingir seu atual modelo de negócios – vendendo um software de assinatura anual para marcas e dispensários que ofereceria um programa de treinamento para candidatos a emprego. O treinamento daria aos dispensários uma vantagem para contratações experientes, aumentando as vendas e reduzindo idealmente a rotatividade que custa à indústria até US$ 438 milhões.

“Os dados mostram uma taxa média de rotatividade de 30% em 21 meses. Analisar a rotatividade e muito disso se resume a contratações ruins”, destaca Herrera.

A empresa está com seus oito primeiros clientes, mas conta com um dispensário grande, não divulgado e de vários estados, além de algumas lojas especializadas em produtos para mamãe e bebê.

Herrera também diz que o serviço pode reduzir o viés na contratação. Como os dispensários apenas contratam candidatos após a conclusão do programa, qualquer preconceito inconsciente não entra no processo de contratação, diz ela.

Os candidatos interessados ​​em um dispensário podem se inscrever na “universidade” do dispensário e, após concluir o currículo, passam por um formulário padronizado para se candidatar ao emprego.

Siga nosso Instagram: https://www.instagram.com/panoramafarmaceutico/

Fonte: Tech Crunch

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...

Esse site utiliza cookies para aprimorar sua experiência de navegação. Mas você pode optar por recusar o acesso. Aceitar Consulte mais informação